sábado, 16 de janeiro de 2016

PULGASARI - 1985



SINOPSE:

Na Coréia feudal, o malígno Rei toma conhecimento de que uma rebelião dos camponeses está sendo planejada no país. Como retaliação, ele confisca todas as ferramentas agrícolas e as panelas feitas de ferro dos camponeses, para que com elas possa fazer armas para dominar o exército camponês. Durante o confisco, várias pessoas são presas, incluindo um velho ferreiro que acaba morrendo de fome. Mas antes de morrer, o ferreiro cria uma pequena estatueta de um monstro. A sua filha acaba ficando com a estatueta, e um dia ao se cortar por acidente, um pouco do seu sangue cai nela trazendo a criatura à vida, que no decorrer dos fatos acaba ajudando os camponeses na tentativa de derrubar a monarquia corrupta...




Formato: MKV
Qualidade: DVDRip
Tamanho: 1,38 GIGA
Duração: 95 minutos
Idioma: Dual Audio / Coreano e dublado em Japonês
Legendas: Português (srt na pasta) TRADUZIDAS POR MAJOR / Inglês e Japonês selecionáveis no arquivo MKV

Links em 2 partes 4shared:


Links em 2 partes Openload:



senha p/descompactar
cinespacemonster.blogspot.com





COMENTÁRIOS


Em meados dos anos 70, Kim Jong-il, então filho do ditador da Coreia do Norte Kim Il-Sung, era um apaixonado por cinema, e tinha planos megalomaníacos para se criar uma grandiosa cinematografia de índole comunista em seu país e que atingisse globalmente (o próprio Kim Jong-il seria futuro ditador de 1994 a 2011, onde ganharia o título de “chefe de estado mais totalitário do mundo”! Hoje quem dá as rédeas na Coreia do Norte é seu filho Kim Jong-um).
O problema é que Kim Jong-il não gostava do material humano que dispunha na Coreia do Norte (leiam-se diretores), e era fã do sul-coreano Sang-ok Shin, nome de grande expressão na Coreia da época. Shin tinha feito mais de sessenta filmes na parte sul da Coreia, em vinte anos de carreira, muitos deles sucessos por lá.
Resultado: o filhinho de ditador manda agentes para a Coreia do Sul sequestrar Sang-ok Shin e sua esposa Choi Eun- hee, uma atriz famosa em seu país. Segundo relatos do próprio Shin (falecido em 2006) para o jornalista inglês John Gorenfeld, do jornal The Guardian, ele e sua esposa assim que chegaram em Pyongyang, capital da Coreia do Norte, em 1978, tentaram escapar.
Shin tentou fugir várias vezes, e foi punido com quatro anos de prisão, onde segundo suas palavras: “vivi em uma dieta de capim , sal, arroz e doutrinação do Partido. Vomitando a bile o tempo todo. Eu experimentei os limites do ser humano. ”


O DIRETOR SANG-OK SHIN E SUA ESPOSA CHOI EUN-HEE


O casal acabou sendo solto em 1983. Recebidos finalmente com uma grande festa patrocinada por Kim Jong-il. O então filho do ditador culpou funcionários seus pela estadia do casal no cárcere. Ele também pediu desculpas por ter demorado tanto para falar com o casal pessoalmente, dizendo que andou esse tempo todo ocupado no escritório (!).
Depois de três filmes como diretor e alguns como produtor, Shin acaba indo realizar finalmente Pulgasari, a pedido do próprio Kim Jong-il.

O DITADOR MALUCO BRINCANDO DE CINEASTA

Para realizar essa fábula “vermelha”, o diretor ganhou carta branca, incluindo a importação de técnicos japoneses (depois de assegurar a segurança deles), chegaram até a contratar para colocar a fantasia de Pulgusari o ator Kenpachiro Satsuma, que vestia a carcaça do Godzilla naquela época. Sem contar a participação de soldados do exército norte-coreano como extras nas cenas de multidão.

 KENPACHIRO SATSUMA FOI GODZILLA DE 1984 À 1995 TAMBÉM INTERPRETOU OS MONSTROS  HEDORAH E GIGAN E EM 1985 SE TORNOU PULGASARI O GIGANTESCO MONSTRO COMUNISTA COMEDOR DE METAL



Kim Jong-il estava satisfeito com o ritmo da produção, e já tinha articulado com Shin planos para o próximo filme, que seria sobre o mongol Ghengi Khan. O filho do ditador estava tão confiante que permitiu que Shin e sua esposa fossem para a Áustria negociar a distribuição internacional do filme. O casal embarcou num avião para Viena e nunca mais retornaram. Indo depois direto para a Coreia do Sul, e finalmente conseguindo asilo nos EUA. Com a fuga de Shin, Pulgasari teve que ser finalizado por outro diretor: Chong Gon Jo.
Como puderam notar, a história dos bastidores de Pulgasari é mais empolgante que o filme em si. Tanto que poderia render um outro filme.
Depois de tudo isso, a obra foi finalmente lançada, e foi um fiasco na Coreia do Norte e massacrado pelos críticos locais. O filme não conseguiu distribuição internacional. Muito menos uma inscrição num festival na Coreia do Sul, pois na última hora acabou sendo proibido pelo governo deste país, alegando não exibir nada que possa trazer algum benefício para a Coreia do Norte.
Sendo assim Pulgasari ficou inédito fora da Coreia do Norte e entrou num limbo, até 1998, quando foi lançado em vídeo no Japão, e conquistou alguns fãs, adquirindo o status de cult.




SCREENSHOTS


8 comentários:

  1. nao esta descompactando,esta dando erro ara juntar as duas partes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo, provavelmente ou você digitou errado a senha, ou durante o seu download o seu arquivo foi corrompido, então terá que baixar novamente, use um gerenciador de downloads que isso é mais dificil de acontecer

      Os arquivos no servidor estão em perfeito estado

      Excluir
  2. Carlos, eu não tinha a mínima ideia do que havia ocorrido na produção desse filme, como você mesmo disse essa história por si só já renderia um filme. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É inacreditável, eu também não sabia, me deu vontade de postar aqui no blog e fui pesquisar, essa família de ditadores são malucos mesmo, imagine o coitado do diretor, uma hora na boa, e derrepente no dia seguinte preso na corea no norte.

      E o filho do Kim Jong-il ainda vai dar o que falar, mas eu não acredito que ele tenha a bomba de hidrogenio não.

      Excluir
  3. Este filme é um remake de outro filme da Coréia do Sul de mesmo nome lançado em 1962, hoje considerado perdido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa , já pensou se alguém tiver uma cópia, o ditador caçula deve ter uma cópia, vai saber

      Excluir
  4. Carlos, sou fã desse gênero de filmes e desconhecia totalmente a existência desse. Baixei, assisti e gostei muito... mas como já foi dito, a bizarrice de como foi produzido só melhora a experiência de assisti-lo. Mal podia imaginar que existia um filme de "kaiju" na Coréia do Norte! Valeu pela postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É inacreditável, eu também fiquei bobo com esta história, mas achei o filme bem legal

      Excluir

Para os que comentam anônimos, por não serem membros, pedimos que coloquem seus nomes ou apelidos no final ou inicío da mensagem