segunda-feira, 11 de novembro de 2013

1984 - ADAPTAÇÃO FEITA PELA BBC COM PETER CUSHING - 1954



SINOPSE:

Dois anos antes da primeira adaptação para o cinema, a BBC realizou esta adaptação televisiva do romance. Esta adaptação provou ser altamente controversa, tendo sido questionada no Parlamento e recebido várias reclamações de telespectadores devido a seu conteúdo supostamente subversivo e de natureza perversa. Numa pesquisa conduzida pelo British Film Institute (Instituto Britânico de Cinema) para determinar os cem melhores programas de televisão da Grã-Bretanha do século XX, esta adaptação de 1984 apareceu na septuagésima terceira posição
Sendo até hoje considerada a melhor adaptação do livro de George Orwell

DIREÇÃO E PRODUÇÃO

Rudolph Cartier

ADAPTAÇÃO PARA TV

Nigel Kneale

ELENCO

Peter Cushing
André Morell
Yvonne Mitchell
Donald Pleasence
Arnold Diamond
Campbell Gray
Richard Williams

Formato: Avi / DVDRip
Tamanho: 1,36 giga
Duração: 107 minutos
Idioma: Inglês
Legendas: Português (srt na pasta) / TRADUZIDAS E SINCRONIZADAS POR PETER HAMMILL EXCLUSIVAMENTE PARA O SPACE MONSTER.

Links em 4 partes 4shared


senha p/descompactar
www.cinespacemonster.blogspot.com





COMENTÁRIOS
por Peter Hammill

1984 é um distópico romance de George Orwell, publicado em 1949 que retrata um mundo em guerra perpétua, a vigilância do governo onipresente, e o controle da mente pública , ditada por um sistema político eufemisticamente chamado Socialismo Inglês (Ingsoc), sob o controle de uma elite privilegiada do Partido Interno, que persegue todo o individualismo e o pensamento independente, taxando-os com "Crime de Pensamento". A tirania é chefiada pelo “Big Brother”, o líder do Partido quase-divino que goza de um intenso culto de personalidade, mas que provavelmente nem exista. Big Brother e o Partido justificam sua tirania em nome de um suposto bem maior.
O protagonista do romance, Winston Smith, é membro do “Partido Externo” e trabalha para o "Ministério da Verdade" ( Minitrue ) , o qual é responsável pela propaganda e revisionismo histórico. Seu trabalho é re-escrever artigos de jornal do passado para que o registro histórico sempre apóie a linha de pensamento atual do Partido. Smith é um trabalhador diligente e hábil , mas ele secretamente odeia o Partido e alimenta os sonhos de rebelião contra o Big Brother.
Como ficção política literária e ficção científica distópica, Nineteen Eighty -Four é um romance clássico em conteúdo, enredo e estilo . Muitos de seus termos e conceitos , como o "Big Brother", "duplipensar" , "crime de pensamento", "Novilíngua", "Sala 101", "teletela" , "2 + 2 = 5", e "buraco da memória" , entraram uso diário desde sua publicação em 1949.
A história de como este mundo evoluiu para três estados é muito vaga. Parecem ter sidos criados em um período pós guerra nuclear e dissolução civil, em algum momento durante os anos 1950-60s .




Oceania

Oceania é aparentemente composta por: Américas, Grã-Bretanha (Londres, onde Winston Smith, o personagem principal vive é chamada de " Airstrip One"), Irlanda, Islândia , Austrália, Nova Zelândia e Sul da África (abaixo do rio Congo). Ela também controla , em diferentes graus e em vários momentos durante o curso de sua guerra eterna com ou Eurásia ou Lestásia - as regiões polares , a Índia , a Indonésia e as ilhas do Pacífico. Isto é descrito em "A Teoria e Prática do Coletivismo Oligárquico" por Emmanuel Goldstein, declarado inimigo público número um da Oceania, após a fusão do Império Britânico com os Estados Unidos . O livro de Goldstein também afirma que a principal defesa natural da Oceania é o mar que a rodeia . Esta pode ser a razão pela qual o partido destaca as fortalezas flutuantes .

A doutrina dominante da Oceania é "Ingsoc" , o termo em Novilíngua para Socialismo Inglês, que em última análise é a expressão máxima do exercício do poder . Seu líder nominal é Big Brother, o qual as massas acreditam ter sido o líder da revolução e ainda é usado como uma figura de proa do partido, mas atualmente pode estar morto, ou talvez nunca tenha existido. O culto da personalidade é mantida através da função do Big Brother como um ponto focal para o amor, medo e reverência, emoções que são mais facilmente sentidas em relação a um indivíduo do que para uma organização.



A língua não-oficial da Oceania é o Inglês (oficialmente Oldspeak ) ea língua oficial é o Novilíngua. A reestruturação da linguagem visa em última análise, eliminar até mesmo a possibilidade do pensamento político e social heterodoxo, eliminando as palavras desnecessárias para expressá-la .
A sociedade da Oceania é nitidamente estratificada em três grupos: o pequeno e exclusivo grupo, controlado pelo governo, o "Partido Interno" , o mais numeroso e altamente doutrinado "Partido Externo" , e o grande corpo de "Proles" politicamente incorretos e não doutrinados. Exceto por algumas raras exceções como a "Semana do Ódio", os proles permanecem essencialmente fora do controle político da Oceania, sendo mantido a ordem, através de distrações triviais como esportes ou jogos de azar, fazendo com que a "Polícia do Pensamento" gerencie facilmente qualquer Prole.

O Hino nacional da Oceania é "Oceania, Isto por Ti", que, em uma das três versões cinematográficas do livro, assume a forma de um crescendo de música de órgão , juntamente com letras líricas . As letras são cantadas em Inglês, e a música é uma reminiscência do God Save the Queen e Die Stem van Suid -Afrika .






Airstrip One

Airstrip One, uma província da Oceania, atua como a configuração primária. Está localizada na chamada antes, "Inglaterra ou Grã-Bretanha", e é o lar dos personagens principais do livro, incluindo seu protagonista, Winston Smith.
Até mesmo os nomes dos países e suas formas no mapa , são diferentes.
No romance, a Grã-Bretanha é uma província dentro da superpotência Oceania que corresponde aproximadamente aos continentes da Américas, África do Sul e Oceania (como explicado no capítulo 3 do livro de Goldstein ) .
Eurásia compreende toda a parte terrestre da Europa e Asia , a partir de Portugal até o Estreito de Bering. Oceania compreende as Américas, as ilhas do Atlântico , incluindo as Ilhas Britânicas, Austrália e porção sul da África. Lestásia , menor que os outros e com a fronteira ocidental menos definida , compreende a China e os países ao sul do mesmo, as ilhas japonesas e uma porção grande, mas variável, da Manchúria , da Mongólia e do Tibet.
Assim como toda a Europa, a Grã-Bretanha foi atingida por armas atômicas nos conflitos devastadores que vieram antes das revoluções, primeiro em Oceania e, em seguida, em outros lugares. Uma cidade britânica, Colchester, é referenciada especificamente como tendo sido destruída; flashbacks da infância de Smith também incluem cenas de londrinos que se refugiavam em túneis do metrô da cidade em meio a um bombardeio .

Eurásia

Está implícito que a Eurásia foi formada quando a União Soviética absorveu o resto da Europa continental, criando uma única nação que se estende desde Portugal até o estreito de Bering . A ideologia dominante da Eurásia é relatado no livro como "Neo- Bolchevismo", apesar de Orwell frequentemente descrever o rosto do padrão eurasiano como "Mongol", na novela, e não como um tipo eslavo. É relatado no livro de Goldstein que a posse da Mongólia (e com ela, a Manchúria ) está sempre oscilando entre Eurásia e Lestásia . Além disso, os únicos soldados (exceto os de Oceania) que aparecem na novela são os Eurasianos. Alguns eslavos são também mencionados, mas o estereótipo do Eurasiano mantido pelo partido é o Mongol , como o valete de O'Brien , Martin. No entanto, é perfeitamente possível que, pelo fato de Oceania estar sempre em guerra com a Eurásia ou Lestásia, as tropas "Eurásianas" mostrados para as multidões sejam realmente "Lestasianas", e as multidões sejam incapazes de saber a diferença. De acordo com o livro de Goldstein, a principal defesa natural do Eurasia são suas vastas terras , o que é mais uma semelhança com a União Soviética .


Lestásia

Não há muita informação sobre Lestásia no livro. Sabe-se que ela é o mais novo e mais pequeno dos três super-estados . De acordo com o livro de Goldstein, ela surgiu uma década após a criação dos outros dois superestados, em algum momento da década de 1960, logo após anos de uma " luta confusa" entre suas nações anteriores. Também é dito no livro que a diligência e a fecundidade do povo de Lestásia lhes permite superar sua insuficiência territorial , em comparação com as outras duas super-potências.
As fronteiras da Lestásia não são tão claramente definidas como os outros dois superestados , mas sabe-se que, pelo menos, compreendem a maior parte da atual China, Japão e Coréia. Sabemos também que a Lestásia captura e perde repetidamente a Indonésia , Nova Guiné e diversos arquipélagos do Pacífico . Sua ideologia política, de acordo com o romance, provém de uma expressão chinesa geralmente traduzida como "Culto da Morte", mas talvez seja melhor entendida como "Auto - Obliteração".



Área Disputada

A "área em disputa" , que está entre as fronteiras dos super- estados, forma um quadrilátero aproximado (veja mapa), com cantos em Tanger, Brazzaville, Darwin e Hong Kong. Esta área é disputada durante a perpétua guerra entre as três grandes potências, com uma potência exercendo o controle sobre vastas áreas do território em disputa, apenas para perdê-lo novamente na próxima vez que as alianças mudarem. O controle das ilhas do Pacífico e das regiões polares também está em constante mudança, embora nenhuma das três superpotências nunca ganha uma retenção duradoura sobre essas regiões . Os habitantes da área, não tendo fidelidade a qualquer nação, vivem em um constante estado de escravidão, independente de quem assuma o poder.

Relações internacionais

O mundo de 1984 permanece em um estado de guerra perpétua entre as três grandes potências . Em um determinado momento, dois dos três estados estão alinhados em relação ao terceiro, por exemplo Oceania e a Eurásia ou Lestásia e a Eurásia, contra Oceania. No entanto, como o livro de Goldstein aponta, cada super-Estado é tão poderoso que até mesmo uma aliança entre os outros dois não podem destruí-lo, o que resulta neste impasse sem fim. De tempos


MAPA MUNDI FICTÍCIO
clique para ampliar



SCREENSHOTS


11 comentários:

  1. Faltou o principal, companheiro: revelar o que está por trás da fantasia de Orwell.

    Ele era um socialista ingênuo, que não dava importância à disputa entre tendências do movimento, até partir para a Espanha, como voluntário na Brigada Estrangeira que ajudou os republicanos a resistirem ao golpe fascista de Franco.

    Por mero acaso, acabou designado para um destacamento trotskista. E presenciou os expurgos e boicotes promovidos pelos stalinistas, que acabavam por enfraquecer a luta contra o inimigo maior.

    A conclusão que Orwell tirou foi a de que a derrota se deveu à intolerância dos stalinistas em relação a trotskistas e anarquistas, além de políticas equivocadas como a de forçarem o recuo político, anulando várias conquistas revolucionárias, pois Stalin queria tranquilizar franceses e ingleses, prováveis futuros aliados no inevitável confronto da URSS com a Alemanha.

    Desabafou escrevendo "1984", em que mostra o mundo dividido entre três blocos que travam uma guerra de escaramuças, que na verdade só serve para justificar a dominação dos respectivos povos. Nenhum deles tenta realmente vencer. Precisa que exista um inimigo como desculpa para seu autoritarismo e fracassos.

    Os três gigantes representam, claro, os EUA, a URSS e a China. O Big Brother é Stalin. E o inimigo proscrito do Big Brother é Trotsky. Os trechos citados do seu livro foram obviamente derivados de principal obra teórica de Trotsky, "A revolução traída". E a "reescrita da História", para adaptar as versões sobre o passado aos dogmas do presente, é exatamente o que se fazia na União Soviética, a ponto de, em fotos da vitória de 1917 no qual apareciam os líderes que caíram em desgraça, os negativos terem sido retocados, com a supressão da imagem dos proscritos e a colocação de outros personagens no seu lugar (isto foi feito também em fotos nas quais Stalin era personagem secundário, para colocá-lo em destaque ao lado de Lênin).

    ResponderExcluir
  2. Olá, pessoal....

    Legendar este filme foi uma das tarefas mais gratas e cansativas que já me propus...mas não foi de forma alguma levada ou inspirada por motivos políticos - históricos ou não.

    As palavras em novilingua tiveram que ser revisadas e em alguns momentos comparadas
    com a excelente tradução do livro em português.

    Apenas um esclarecimento: as interpretações e o que levou ORWELL a escrever esta obra são
    variadas e não conclusivas, ......lembrem-se da fábula A REVOLUÇÃO DOS BICHOS (ANIMAL FARM) esta sim, tendo como pano de fundo Stalin, Trotsky, Lenin.....etc...etc..etc...

    Um dos maiores equívocos em relação à obra de Orwell é de que se trata de uma desilusão com as ideias socialistas. Em uma carta a Francis A. Henson, membro do sindicato estadunidense United Auto Workers, datada de 16 de junho de 1949 (sete meses antes de sua morte), que foi reproduzida na revista Life (edição de 25 de julho de 1949) e no The New York Times Book Review (31 de julho de 1949), Orwell declarou o seguinte:

    "Meu romance recente [Nineteen Eighty-Four] NÃO foi concebido como um ataque ao socialismo ou ao Partido Trabalhista Britânico (do qual sou um entusiasta), mas como uma mostra das perversões… que já foram parcialmente realizadas pelo comunismo e fascismo. O cenário do livro é definido na Grã-Bretanha a fim de enfatizar que as raças que falam inglês não são intrinsecamente melhor do que nenhuma outra e que o totalitarismo, se não for combatido, pode triunfar em qualquer lugar."
    —The Collected Essays, Journalism and Letters of George Orwell Volume 4 - In Front of Your Nose 1945-1950 p.546 (Penguin)

    Eu particularmente, como entusiasta do sci-fi clássico prefiro me colocar no lugar do Winston e mergulhar na trama imaginando e vivenciando as experiências deste num futuro incerto que teima em nos assombrar. O meu saudoso amigo, Millor Fernandes consegue explicar meu modo de pensar:

    "O capitalismo é a exploração do homem pelo homem. O socialismo é o contrário."
    Millôr Fernandes

    Peter Hammill - SP

    ResponderExcluir
  3. Olá, pessoal....

    Legendar este filme foi uma das tarefas mais gratas e cansativas que já me propus...mas não foi de forma alguma levada ou inspirada por motivos políticos - históricos ou não.

    As palavras em novilingua tiveram que ser revisadas e em alguns momentos comparadas
    com a excelente tradução do livro em português.

    Apenas um esclarecimento: as interpretações e o que levou ORWELL a escrever esta obra são
    variadas e não conclusivas, ......lembrem-se da fábula A REVOLUÇÃO DOS BICHOS (ANIMAL FARM) esta sim, tendo como pano de fundo Stalin, Trotsky, Lenin.....etc...etc..etc...

    Um dos maiores equívocos em relação à obra de Orwell é de que se trata de uma desilusão com as ideias socialistas. Em uma carta a Francis A. Henson, membro do sindicato estadunidense United Auto Workers, datada de 16 de junho de 1949 (sete meses antes de sua morte), que foi reproduzida na revista Life (edição de 25 de julho de 1949) e no The New York Times Book Review (31 de julho de 1949), Orwell declarou o seguinte:

    "Meu romance recente [Nineteen Eighty-Four] NÃO foi concebido como um ataque ao socialismo ou ao Partido Trabalhista Britânico (do qual sou um entusiasta), mas como uma mostra das perversões… que já foram parcialmente realizadas pelo comunismo e fascismo. O cenário do livro é definido na Grã-Bretanha a fim de enfatizar que as raças que falam inglês não são intrinsecamente melhor do que nenhuma outra e que o totalitarismo, se não for combatido, pode triunfar em qualquer lugar."
    —The Collected Essays, Journalism and Letters of George Orwell Volume 4 - In Front of Your Nose 1945-1950 p.546 (Penguin)

    Eu particularmente, como entusiasta do sci-fi clássico prefiro me colocar no lugar do Winston e mergulhar na trama imaginando e vivenciando as experiências deste num futuro incerto que teima em nos assombrar. O meu saudoso amigo, Millor Fernandes consegue explicar meu modo de pensar:

    "O capitalismo é a exploração do homem pelo homem. O socialismo é o contrário."
    Millôr Fernandes

    Peter Hammill - SP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente com seu pensamento Peter, para mim 1984 é uma ficção científica, independente da política, e no meu ponto de vista como seu amigo Millôr Fernandes, também acredito, que o capitalismo e o socialismo tem o poder de explorar a raça humana, em suas palavras "O capitalismo é a exploração do homem pelo homem. O socialismo é o contrário."

      Tudo depende da própria humanidade aprender com os erros do passado, e principalmente, cada pessoa ter seus ideais, e nunca ser um fanático, como vemos que ainda acontece hoje em dia, tanto na religião como na política, que estamos vendo membros de partido serem condenados, e vemos gente defendendo estas pessoas cegamente, como se fossem presos políticos.
      Nem sei se deveria estar falando isso aqui, porque sempre quis manter o Space Monster livre de comentários deste tipo.

      Excluir
    2. E mais uma coisa Peter, como sempre suas legendas foram ótimas, sem comentários quanto a qualidade, tenho certeza que deu um trabalho enorme, mas está perfeita a tradução.

      Sem contar, com o trabalho que você ainda teve, em explicar alguns termos, e mostrar o sentido de algumas frases, que foi com certeza muito bem vindo para quem não conhece 1984, isso ajudou muito a aumentar o interesse das pessoas em procurar a entender e a ler este que é um clássico da Ficção Científica.

      Tenho certeza que todos os seguidores do Space Monster estão gratos com seu trabalho.

      Obrigado, e espero que seu pai tenha melhorado.

      Um abraço !

      Excluir
    3. Mais uma coisa que quero dizer Peter.
      Outra frase muito legal de Millor Fernandes sobre a democracia é essa

      “Todo homem tem o sagrado direito de torcer pelo Vasco na arquibancada do Flamengo”.

      mas com certeza temos que ter cuidado , principalmente com as consequencias rsrsrsrsrs!

      Excluir
  4. Prezado Peter,

    parabéns pelo ótimo trabalho! Perdi a contas dos filmes que baixei daqui.

    Concordo contigo quanto ao fato de que Orwell não se desiludiu do socialismo, como a direita tentou fazer crer, "apropriando-se" de 1984 e o utilizando intensamente como arma propagandística. Mas ele era, acima de tudo, um desiludido com o stalinismo e tinha alguma simpatia pelo trotskismo, tanto que colocou na boca do personagem Goldstein várias teses do (também judeu) Trotsky.

    Se te interessar, eis o link para uma exaustiva exegese do 1984, de autoria do brilhante intelectual marxista Isaac Deutscher: http://socialiststories.net/liberate/%271984%27,%20The%20Mysticism%20of%20Cruelty%20-%20Isaac%20Deutscher.pdf

    Está em inglês mas, se bem me lembro, consta, traduzido para o português, de um dos livros que reúnem artigos do Deutscher, talvez IRONIAS DA HISTÓRIA, talvez A RÚSSIA DEPOIS DE STALIN.

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite, Celso

    É sempre interessante trocar impressões com pessoas cultas e educadas
    como você.

    Agradeço pelo interessantíssimo link - 1984 - O misticismo da Crueldade, e saliento que nossa
    "missão" aqui no Space Monster, liderados pelo mentor "carlosm42" é promover a cultura e a
    volta de emoções há muito perdidas nas matinées dominicais...

    Abraços.....

    PS: amigo carlosm42: após a morte de minha mãe, nossa família quase soçobrou, meu pai foi o mais atingido...e estamos somente agora nos recuperando e tentando "sobreviver" sem sua presença tão constante em nossas vidas!!!

    Tenho outro ás na manga: IKARIE XB1, (http://www.imdb.com/title/tt0122111/) até onde sei....não existem legendas disponíveis.....apenas a que postei a alguns anos no legendas.tv com o Carlos Nog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viagem ao fim do universo, muito legal Peter, as legendas jáforam feitas então.
      Vou procurar no legendas.tv.

      Excluir
  6. Infelizmente links inválidos.
    Trinity

    ResponderExcluir

Para os que comentam anônimos, por não serem membros, pedimos que coloquem seus nomes ou apelidos no final ou inicío da mensagem