sábado, 24 de maio de 2014

THE MOLE PEOPLE aka O TEMPLO DO PAVOR - 1956

THE MOLE PEOPLE
Direção : Virgil Vogel

Postado primeiramente em 11 de setembro de 2010

Formato : AVI
Fonte : DVDRip
Tamanho : 700 mb
Duração : 84 min.
Gênero : Sci-fi/Terror
Ano : 1956
Direção : Virgil Vogel
Produção : William Alland
Make-ups : Bud Westmore
Efeitos de Fotografia : Clifford Stine
Música : Joseph Gershenson

*******************************************
Legendas Traduzidas e sincronizadas por cartwright

LINKS em 2 partes uptobox


senha p/descompactar
www.cinespacemonster.blogspot.com


SINOPSE:

Após encontrarem uma lamparina com inscrições sumerianas sobre o povo de Ishtar que fugiu do Dilúvio para as montanhas geladas de Kuhitara, os arqueólogos liderados pelo Dr. Roger Bentley (John Agar)escalam a região inóspita até o cume, quando acham evidencias dessa civilização desaparecida. Contudo, um acidente com um dos membros,que cai num fosso profundo, obriga-os a descerem para resgatá-lo. Só que estranhos sêres, habitantes da escuridão, ameaçam suas vidas tanto quanto um povo albino que os vêem como ameaças.

COMENTÁRIOS:
POR CARTWRIGHT

Mais um clássico da Universal nos anos 50, que enchia as matinées dos cinemas, a maioria com produção do expert William Alland, parceiro fiel de Jack Arnold em todos os seus filmes, além de produzir outros cults, como "This Island Earth","The Deadly Mantis"(o qual também escreveu o roteiro)e "The Black Castle", quando lançou Nathan Juran na direção. William Alland era parceiro de Orson Welles na rádio e membro da Mercury Theatre Group, participando do famoso programa de rádio"War of the Worlds" e atuando em filmes como "A Dama de Shangai" e "Citizen Kane".
Já o diretor Virgil Vogel, que só trabalhava como assistente de edição, conseguiu sua primeira chance como diretor em "The Mole People", que lhe concedeu um contrato com a Universal quando também o levou para a TV, onde dirigiu centenas de séries e apenas alguns filme para cinema.

Virgil Vogel , John Agar e um Homem Toupeira

Outro destaque é o requisitadíssimo Bud Westmore dos make-ups...se fosse citar o que ele já fez, precisaria de 20 páginas, um dos profissionais mais reconhecidos na área.
E é claro Clifford Stine, que sempre trabalhou com Jack Arnold e iniciou sua carreira no super cult "King Kong" de 33, como membro dos efeitos especiais.
O coadjuvante Nestor Paiva, figurinha carimbada de vários cults como O MONSTRO DA LAGOA NEGRA e TARÂNTULA, sempre com um sotaque bem latino, apesar de ser californiano, marca sua presença. Seu último trabalho foi dublar a série Johnny Quest,costumeiramente fazendo o vilão com sotaque de algum país estrangeiro.
Mas o grande nome de "The Mole People" é sem dúvida, o indefectível John Agar que começou sua carreira, após casar-se com a estrelinha de Hollywood, Shirley Temple, conseguindo atuar num clássico western, com John Wayne e Henry Fonda,"Fort Apache" de John Huston em 1948. 

Agar e sua esposa Shirkey Temple


Mas sua carreira ficou marcada pelos sci-fi como THE BRAIN OF PLANET AROUS, THE ROCKET MAN,TARANTULA,THE JOURNEY TO THE SEVENTH PLANET,THE REVENGE OF CREATURE,THE GOLDEN MISTRESS,ATTACK OF PUPPET PEOPLE,INVISIBLE INVADERS,DESTINATION SPACE,THE THING FROM VENUS,WOMEN OF PREHISTORIC PLANET,e outros.
Ganhou prêmios pelo conjunto da obra na ACADEMY OF SCIENCE-FICTION,FANTASY AND HORROR FILMS dos Estados Unidos.







No elenco também, fazendo o papel de alto sacerdote, o magrão Alan Narpier, que foi o mordomo Alfred da série "Batman" dos anos 60.
"The Mole People" foi um daqueles sucessos com o público, que reverteu em todo o tipo de produtos da mídia nos anos 50. Dizem que foi influenciador direto na grande maioria de roteiros da saga "Jornada nas Estrelas", cuja produção, nunca negou influencia do script e clima da história.
Mas choveu magazines, souvernir de lojas, brinquedos, puzzles, "Moles Toy" entre outros segmentos.























bonequinhos maleáveis dos "Mole" com perninhas decepadas e outros kits

O grupo americano, The Residents, fascinados por esse filme criaram uma trilogia em LP e CD no começo dos anos 80, chamado The Mole Show,com os discos "Mark of Mole", "Tunes of 2 Cities"(onde se nota um Chubs segurando um cogumelo na contra capa, alimento do povo de Ishtar)e "The Big Bubble".














Capas de Mark of the Mole e Tunes of Two Cities, narrando sobre duas civilizaçõs, Chubs que comandam os Moles, criaturas que trabalham para suprir alimentos para seus dominadores.


THE RESIDENTS MARK OF THE MOLE


Uma coisa é certa. Esse filme alavancou definitivamente a nova fase da Universal no reino do sci-fi horror, abandonando de vez os monstros clássicos cujo os direitos que eram parciais, foram passados definitivamente para a inglesa Hammer.
Muitos outros diretores como George Pal,Val Guest e o próprio Jack Arnold se disseram marcados pela suntuosa proposta do filme e alguns segmentos de roteiro, com histórias parecidas, começaram a surgir também nas telas a partir de então.
O lançamento em DVD desse clássico,foi aguardado ansiosamente pelos aficcionados e fans no mundo inteiro.








Uma curiosidade é que "The Mole People" começa com um depoimento do Pf.Frank C Baxter, que apresenta algumas curiosidades sobre teorias a respeito do interior da Terra através dos tempos.
Façam suas pipocas, afundem na sua poltrona favorita e viaje no tempo com essa pérola dos anos 50.
































DURANTE AS FILMAGENS CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR


ELENCO:

John Agar ... Dr. Roger Bentley
Cynthia Patrick ... Adad
Hugh Beaumont ... Dr. Jud Bellamin
Alan Napier ... Elinu, O Alto Sacerdote
Nestor Paiva ... Prof. Etienne Lafarge
Phil Chambers ... Dr. Paul Stuart
Rodd Redwing ... Nazar
Robin Hughes ... Capitão
Pf.Frank Baxter ... introdução


SCREENSHOTS:

Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket

























25 comentários:

  1. Engraçado como a Universal despreza seus monstros 50's hoje em dia! Nada a ver quando eles incluem O Monstro da Lagoa Negra naqueles boxes com a galerinha do arrepio 30's.

    Aliás, O Monstro da Lagoa é o único que eles distribuíram aqui. Se não me engano!

    O lado bom é que os monstros 50's até agora estão isentos de aparecer em remakes. Mas volta e meia surgem boatos de que estão a caminho.

    Sempre tive muita curiosidade por The Mole People. Nem suspeitava que aqui se chamou O Templo do Pavor.

    Pelo resumo e as capturas, me lembrou bastante de Beneath the Planet of the Apes de 1970...

    Valeu por mais este!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Nossa Cart demais, você completou meu fim de semana, valeu por mais esse clássico maravilhoso .
    Estas legendas foram feitas e traduzidas por você ?

    ResponderExcluir
  3. foram sim Carlos, é aquele parto, linha por linha, mas com final feliz quando acaba.
    Já estou debruçado em outro...
    que outra forma de dispor esses cults no Brasil, não é mesmo ?

    ResponderExcluir
  4. pois é,Miguel Andrade, já notou como os batizadores de títulos nacionais para o cinema daqui, tem fixação por determinados têrmos, como "pavor", "fatal" e "mortal". A cada 10 filmes 7 levam essas palavras no final...
    Deve ter sido causado por uma disfunção cerebral, ou má formação do feto desses infelizes, mas a verdade é que os títulos apatriados, na maioria das vezes beira o ridículo...custava alguma coisa, chamarem de "Os Homens-Toupeiras" como queria seu autor, Lásló Gorog?
    Sei que era esse tal Templo do Pavor ( Sob o Signo de Ishtar no Mèxico e países latinos ), porque passou no cinema do meu bairro quando era guri. Na verdade, que eu saiba, nunca foi lançado em VHS ou DVD, ou mesmo exibido em TV assinatura.Passou uma vez na TV Globo, num sábado em 69.
    Quanto ao roteiro, The Mole People lembra muitos outros filmes que se seguiram, com civilizações dominantes e monstros escravos num mundo perdido no tempo.

    ResponderExcluir
  5. Mais uma vez um ótimo lançamento. É o tipo de legenda que vale a pena ser traduzida, pois dificilmente veremos um filme como esse lançado em DVD no Brasil. Parabéns mais uma vez cartwright.

    Ab. Chusma

    ResponderExcluir
  6. e a saga continua Chusma, breve, breve, mais conchinhas da praia dos anos 50.

    ResponderExcluir
  7. estou com um problema. No final da extração está dando um problema avisando de problema
    será que vc pode me ajudar?

    Walter

    ResponderExcluir
  8. O problema consiste que quando chega em 90% da extração abre uma janela que diz falha de CRC no arquivo codificado

    agradeço antecipadamente a ajuda

    Walter

    ResponderExcluir
  9. bem Walter, primeiro veja o tamanho dos 4 links baixados( as 3 primeiras partes tem em torno de 185.000 mb igualmente cada, e a 4º parte 172.357 mb).
    Conferido isso, verifique se está colocando a senha corretamente> cartwrighthh < em letras minúsculas(tente escrever a senha ao invés de copiar). Muita gente já baixou e não falaram em erro, portanto pode ser uma dessas 2 coisas que falei.
    Qual problema vem dizendo no Winrar durante a descompactação ?

    ResponderExcluir
  10. então, algo diz que uma das partes não baixou corretamente e o tamanho não é o que eu falei, veja qual foi e refaça o download dela.

    ResponderExcluir
  11. hanscartwright, sugiro que a galera use o 7-zip para descompactar. Bem mais amigável, e reconhecer possíveis erros de senha logo de cara.

    Ainda serve para unir e/ ou descompactar arquivos divididos em pedaços de muitas outras extensões. Sem falar que é freeware!

    Voltando ao outro assunto, é como "pecado". Qualquer filme com moral mais duvidosa tacavam a palavrinha cristã.

    "A esquina do pecado", "O Pecado de todos nós" "O pecado mora ao lado", Adorável pecadora", etc! Na dúvida, como o caso de Berlin Affair, foram de "A Mundana". :D

    O ruim é que a gente fica confuso. Precisoc adastrar meus DVDs urgente, não tenho mais noção do que tenho ou do que ainda preciso correr atrás.

    Falando em cinema de bairro, aqui em Jundiaí anda um quebra quebra de construções antigas.... preciso correr fotografar um antigo cinema aqui do bairro antes que seja tarde.

    Hoje é um depósito de cestas básicas, mas a fachada ainda é a pomposa de um cinemão 50's.

    Enfim, vou assistir The Mole People ainda hoje!

    A primeira vez que ouvi falar nesse filme foi num CD importado da Varese Sarabande que comprei nos anos 90, com os temas de Horror e Sci-Fi 50's.

    Agora já encontrei a versão deste CD em LP (de 59!)convertido em MP3 para baixar:

    http://www.mediafire.com/?2gi1njgwnem

    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. que legal, preciosas notas sobre o label Varèse Sarabande, especializado em restaurações e resgates de desaparecidos.
    O nome é homenagem ao experimentalista Edgar Varèse.
    Eu só uso 7-Zip, mesmo porque voce descompacta só a primeira parte e abre ela com esse programa,para testar se o filme tem boa qualidade de imagem e som, antes de continuar a descer as outras partes.
    O cinema do meu bairro hoje é uma concessinária da Volks, mas ainda mantém a carcassa do antigo templo da minha infância...sempre que olho para a faixada dá um apêrtozinho de saudade, do fascínio que me causava, aqueles posters prêsos em percevejos, junto com as fotos brilhosas, tudo dentro de um quadro retangular e algumas com a famigerada plaquinha que dizia: proibido para menores de 18 anos, que me deixava uma arara.
    As sessões eram 2 filmes de 2ª à 4ª feira e 2 filmes(as vezes 1 só, dependendo do filme)de 5ª a Domingo.Vez em quando rolava uns cartoons antes dos filmes, tinha sempre aquele jornal chapadinho( e levando vaia do público, aqueles docs ufanistas do Jean Mazon, eram incluídos em algumas sessões, para nossa irritação ).Ainda peguei a fase dos serials da Columbia mas acompanhei no máximo uns 12 ou tanto.
    Nunca esqueço quando aparecia a abertura da Condor Filmes, que a platéia enxotava delirantemente o urubu posado na montanha até voar...era um espôrro alegre dentro do cinema.
    Boas memórias do meu Cine Paradiso.

    ResponderExcluir
  13. hanscartwright, eu não sabia desse super poder do 7-Zip! Muito bom, muito bom!!!

    Você já fotografou o cinema daí mesmo sendo concessionária agora?

    O da minha cidade (não cresci aqui), o Cine São José de Itapeva (SP) virou uma boate faz muito tempo. Foi angustiante quando fecharam e a gente olhava pleas grades tudo quebrado lá dentro, juntando pó.

    Lembra dos lobby cards que a gente ficava vendo e depois muitas cenas não existiam no filme? hahaha

    DEUS! Você pegou as sessões duplas! No máximo pra mim era assim, com um ingresso você podia ver o mesmo filme quantas vezes quisesse.

    Hoje os créditos finais mal apareceram e eles já ligam as luzes da sala enxotando a gente! Já mandei e-mail reclamando disso pro Moviecom e eles nem bola deram.

    Os filmes de que eu mais gostasse voltava na matiné do dia seguinte pra levar minha irmã mais nova. Detalhe, eu devia ter uns 12 anos e ela uns 7,8 anos.

    Não sei como minha mãe permitia, porque morávamos num bairro bem afastado e a gente ia e voltava a pé. Se sobrasse dinheiro a gente parava na sorveteria pra tomar um sunday.

    "Um" sunday não é força de expressão! era um sunday mesmo, dividido pros dois! :D

    Eu era doido pra assistir filme brasileiro, mas eles não existiam naquela época. Então, o que tínhamos era filme dos Trapalhões.

    Aliás, filme nacional era sinônimo de sexo explícito. Passavam às quinta-feiras, mas claro, não podia ir. Nunca esquecerei da Márcia Ferro no poster de Mulheres e Cavalos.

    Filmes, mesmo sem sexo, que eram proibidos pra gente eram um saco! Tipo As Amazonas na Lua, com um lindo poster desenhado, mas que não era pra criança!

    Quando fui ver Planet Terror (proibido para menores de 18) deu um gostinho tão bom de "uhuuu! Agora eu posso!"

    Enfim,
    Abraços!

    ResponderExcluir
  14. entrei no cinema do meu bairro a primeira vez no final de 56 e assisti The Werewolf do meu mestre e senhor, Fred F Sears, quando inauguraram esse cinema...antes disso eu fui em alguns cinemas muito pequenino e pouco lembro, exceto de um filme do Super Homem com George Reeves, que na verdade eram 3 histórias do 2ºano da série unidas em 1 só, um bang bang comédia com W.C.Fields e muito antes, um outro que só sei que tinha uma máscara grande que iluminava os olhos, nariz e boca(de forma circular como faróis de bibicleta)e que aparecia na selva à noite, assustando os indígenas e homens brancos caçadores que acampavam no local, mas no final descobrem que era uma máscara com lâmpadas mesmo, usado por uma quadrilha que roubava tesouros, marfins e coisas assim e acendiam a máscara para espantar os habitantes do lugar...algo assim não lembro bem, tinha só 2 anos.
    Eu peguei quase toda a fase da Atlântida com Oscarito e Grande Otelo, lotava os cinemas nos anos 50, mas meu grande fascínio eram os sci-fi e Earth vs Flying Saucers foi meu maior encanto (também de Fred F Sears), foi esse filme que namorei e casei com o gênero,ficava eletrizado quando o cinema anunciava outro sci-fi(vieram muitos), eu ganhava alguns cromos(fotos dos filmes, que realmente a maior parte dessas cenas não aparecia no filme, pelo menos como estava na foto)do dono do cinema, que era amigo do meu pai, infelizmente já não tenho mais quase nenhuma.
    Lembro que antes de começar a sessão, o cinema tocava um long-play arranhado do Nelson Gonçalves, era tortuoso, mas lá pela quinta ou sexta faixa, soava um gongo, as luzes iam apagando, assovios,uebas!!! e tudo mais que a galera fazia, então começavam as projeções, sempre a primeira coisa era o jornal Atualidades Cinematográficas(depois de alguns anos substituido pelo Canal 100) trailers(normalmente 2 ou 3)2 cartoons(especialmente quando era da Warner ou Columbia, mas rolava tambem na Universal e MGM)e durante os dois primeiros anos desse cinema sempre tinha um serial de 15 capítulos(1 por semana)nas sessões de 5ª a Domingo.
    Tinha um baleiro que andava pelo cinema com um cestão de palha cheio de balas e guloseimas, sempre alguem fazia psssiuuuu, por que a criançada chamava ele toda hora...
    Eu enchia a cara de drops Dulcora,balas Toffe da Bhering,os bonequinhos cor de rosa também da Bhering,amendoim com casca de chocolate da Kibon ou jujuba, e outras glicoses....lembro quando lançaram o chocolate branco "Laka", foi uma febre da meninada.
    Um baú agradável de memórias que guardo comigo...
    A gente não esquece esses detalhes, não é mesmo, Miguel Andrade ?
    O filme Amazonas na Lua é o cult do John Landis que homenageava os sci-fi anos 50 com uma imitação do filme Queen from Outer Space de 1958, misturado com gags,propagandas e outras loucuras(começa com um negro azarado,que acontece tudo de ruim com ele)...esse filme é genial.

    ResponderExcluir
  15. hanscartwright, coisa super bizarra que minha lembrança mais antiga eu estava no cinema.

    No colo da minha mãe assistindo Terremoto. Meu pai pediu pra ela sair pra eu não ficar assustado, só que eu estava adorando, mas ainda não conseguia falar!!!

    Fiquei com ela dentro do carro, esperanço a sessão terminar e meu pai voltar. Muito frustrante.

    Consciente, com uns 2 anos, foi Pinóquio da Disney. Tinha meu quarto todo decorado com o tema! :D

    Amo As Amazonas na Lua. Vi muitas vezes depois em VHS.

    E as plateias era muito mais ingênuas! Também peguei seriado de TV compilado como se fosse um longa.

    Assisti no cinema nos anos 80 O Homem-Aranha: O Desafio do Dragão,s endo que era aquele seriadinho de TV 70's!

    Queen from Outer Space com a Zsa Zsa Gabor tem cara de ser puro ~glamour~! Mas só assisti ao trailer!

    ResponderExcluir
  16. boa memória, cara...tenho rara lembrança e sensações do meu tempo de colo, lembro alguma coisa mas são pedacinhos disso e daquilo.
    Eu tinha 6 anos e adorava filmes de terror, enchia o saco pra entrar mas os filmes na maioria desse gênero eram proibidos até 18 anos..meu pai deu uma idéia ao dono do cinema de deixar eu assistir um filme de terror no segundo andar que ficava fechado durante os dias úteis, pensando que eu ia me assustar e não querer mais ver eles...ah, quando foram lá em cima, após o filme ter acabado para ver como eu tava, me encontraram com um sorriso de orelha a orelha,entusiasmado,então perceberam que eu não ficava mesmo impressionado com nada, ao contrário prestava atenção nos efeitos, no nome do diretor, coisas assim e desde então podia assistir todos os filmes de terror que passavam, nessas condições de ficar escondido lá em cima, por causa do juizado de menores que fazia batida nestes cinemas.
    Foi uma disneylandia solitária durante anos...
    vi muito marmanjo saindo fora no meio de vários filme, assustados, enquanto eu me deliciava.

    ResponderExcluir
  17. Hans, vc não documentou esta época? caderninho de recortes, nada?

    Fiquei curioso!

    ResponderExcluir
  18. infelizmente não, cara. Só a memória mesmo...era menino e nessa época nem imaginava que eu teria a idade que tenho hoje...
    mas guardo essas lembranças como se estivesse ainda vivendo elas, os detalhes, o aroma, o ambiente, as cores, tudo como se fosse um filme 3-D.
    Mas nunca pensei em fazer album de recordações ou coisas assim, nunca fiz diários, nada desse tipo. Mas a memória viva desse período está comigo.Quando esbarro com um filme,cartoon ou serial desses anos, pulo da cadeira.
    Foi assim com The Werewolf, nunca mais tinha visto desde os 6 anos e quando um amigo há alguns anos atrás,achou uns links num site russo, eu lembro que me emocionei pra valer, saiu até lágrima...foi minha primeira legenda que fiz, postamos no site do excelente Mike Brainiac Wurdulak, parceirão do SpaceMonster.
    Também Earth vs Flying Saucers foi meu primeiro download, pela Veoh(que não abre mais sinal pro Brasil)nem sabia fazer downs, aprendi ali e fiquei eufórico.
    Quando o Carlos entrou no Farra ai foi como se a lâmpada de Aladin tivesse na minha mão.
    Só tesouros fantásticos e isso me fez sentir uma enorme felicidade...
    Agora estou traduzindo outro filme que vi no cinema...esse então, lembro que meus primos saíram fora no meio do filme impressionados e eu com 8 anos tive que contar o final pra eles.
    Vou guardar segredo do nome, logo vai estar aqui.

    ResponderExcluir
  19. Hans, que pena! Já eu guardo tudo sei lá pra quê! :D

    Tenho uns três diários até com listas de filmes (agora óbvios) que eu queria assistir.

    Os Super 8 que herdei do meu finado pai são meus tesouros. Principalmente a cópia de Guerra dos Mundos nesse formato, que tem uma arte linda na capa!

    Volta e meia desemboco alguns dos meus guardados no blog:

    http://cidadaoquem.blogspot.com/

    Acabei de postar sobre I Married a Monster From Outer Space que assisti ontem!!!

    Amo os dias de hoje em termos de acesso ao que as gente quiser. Fico imaginando o quanto meu pai perdeu falecendo tão novo e ele amava cinema!

    Dia destes me deparei com It Came From Hell, o primeiro Sci-Fi 50's que assisti na vida. Pena que só tinha legendas em espanhol, mas mesmo assim mandei brasa!

    Frequentei o Farra por muito tempo, lamentavelmente não lembro de vocês!

    Olha, aguardo ansiosamente tua nova postagem!!! rs

    Abraços

    ResponderExcluir
  20. meus amigos, venho aqui agradecer as postagens dessas pérolas do anos 50. agradecer ao Carlos e ao Cartwright e a todos q fazem desse site uma volta aos tempos bons dos filmes Sci-Fi 50's.
    abraços a todos!

    Marcos

    ResponderExcluir
  21. Bom filme. Ja comeca bem com um professor de ingles dando aula de geologia. Legal tambem as explicacoes que os exploradores encontram para cada situacao inusitada que se deparam.
    Pena o final, como tantos outros filmes, seja assim abrupto. Parece que gastam todas as ideias e nao sobra nem uma frasezinha final marcante... Que coisa!

    ResponderExcluir
  22. José Eustáquio Bortone, fevereiro 25, 2013, segunda feira, 22:45h
    Hoje realizei um sonho de mais de 50 anos: assitir "O Templo do Pavor". Em 1962, li o n° 5 da revista "ULTRA CIÊNCIA" que trouxe em fotos o filme "O Templo do Pavor", com o título de "Os Habitantes do Inferno". Foi paixão à primeira vista e, desde então, meu sonho de cinéfilo era ver o filme. Como não conhecia o título original do filme, minhas buscas na Internet eram infrutíferas até que, em fevereiro de 2.013 consegui comprar a revista ULTRA CIÊNCIA n° 5 e, através dela, pelo nome do ator Hugh Beaumont, cheguei ao nome do filme e dele a esse site onde consegui abaixar essa preciosidade.
    Excelente trabalho, Cartwrigth.

    ResponderExcluir
  23. Os links não funcionam. Baixei as duas partes RAR e elas ficam como arquivos ocultos. Não dá para descompactar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo isso só acontece com você eu acabei de baixar para testar e funcionou perfeitamente, tente novamente.

      Excluir
    2. tentei novamente a deu certo! os arquivos extraídos foram para um novo usuário do windows e ficaram ocultos lá.
      muito obrigado, amigo!

      Excluir

Para os que comentam anônimos, por não serem membros, pedimos que coloquem seus nomes ou apelidos no final ou inicío da mensagem