sexta-feira, 15 de novembro de 2013

THE CURSE – aka A MALDIÇÃO - RAÍZES DO TERROR - 1987



SINOPSE:

Nathan Crane (Claude Akins) é um fazendeiro extremamente religioso e temente a Deus. Certa noite, cai em sua propriedade algo que todos pensaram ser um simples meteorito. Logo em seguida, toda a produção agrícola de sua fazenda começou a se desenvolver como jamais tinha visto. A princípio ele acreditou que aquilo que havia caído do céu era uma benção de Deus. Mas algum tempo depois coisas estranhas começaram a acontecer naquele lugar. O que antes parecia ter sido uma benção divina, passou a ser visto como um terrível castigo enviado por Deus...


DIREÇÃO:

David Keith

ELENCO:

Wil Wheaton .................. Zack / Zachary (creditado como Will Wheaton)
Claude Akins ................ Nathan Crane
Kathleen Jordon Gregory ..... Frances Crane
Malcolm Danare .............. Cyrus Crane
Amy Wheaton ................. Alice Crane
Steve Carlisle .................. Charlie Davidson
Cooper Huckabee .............. Dr. Alan J. Forbes
Hope North .................... Esther Forbes
John Schneider .............. Carl Willis
Steve Davis .................. Mike



Formato: Dvdrip Xvid Avi
Tamanho do arquivo: 1,37 GiB
Duração: 1h 30min
Cor: colorido
Proporção da imagem: 16:9 (720x400)
Idioma: inglês
Legendas: português (srt, na pasta)

Link para download (torrent e legendas):


senha p/ descompactar
www.cinespacemonster.blogspot.com

legendas: tradução e sincronia por

Carlos Solrac





COMENTÁRIOS ( por Carlos Solrac ) :

THE CURSE é um filme de terror norte-americano lançado nos Estados Unidos em setembro de 1987. Foi a segunda produção baseada no conto de terror “The Color Out of Space”, escrito por H.P. Lovecraft em 1927.

Suponho que “The Color Out of Space” já seja do conhecimento dos amigos aqui do blog. Para quem ainda não o conhece, recomendo a leitura da postagem DIE,MONSTER, DIE! aka MORTE PARA UM MONSTRO – 1965, a primeira adaptação para o cinema desse conto de H.P. Lovecraft.

De acordo com THE CURSE, os fatos mostrados são verdadeiros e aconteceram (e talvez ainda podem estar acontecendo) em Tellico Plains, uma cidade localizada no estado norte-americano do Tennessee.


THE CURSE foi a estréia do ator David Keith na direção de um filme. Mais informações sobre esse ator e diretor podem ser obtida no site do IMDb (Internet Movie Database):

Um esclarecimento: de acordo com o IMDb, no filme THE CURSE, o nome do personagem de Claude Akins é Nathan Hayes. Outras fontes indicam como sendo Nathan Crane. Na minha opinião, é Crane. Nas legendas em espanhol, consta o nome Crane. Por esse motivo, nesta postagem o nome do fazendeiro será Nathan Crane.

A leitura a seguir não obrigatória e pode até mesmo estragar as “boas e surpreendentes surpresas” que o filme nos reserva. Os SCREENSHOTS também mostram algumas cenas que não deveriam ser reveladas a quem pretende assistí-lo, ou até mesmo para quem já assistiu. Não quero ser "desmancha-prazeres", por isso pense bem antes de prosseguir essa leitura.


Algumas curiosidades:

- A garotinha Alice (Amy Wheaton) que fez o papel da irmã de Zack (Wil Wheaton) também é irmã dele na vida real.

- Preste atenção na cena em que o meteorito está preste a bater no chão. É possível notar claramente a “engenhoca” que eles utilizaram para movimentá-lo.

- É sempre bom saber que todo médico do interior lá no Tennessee tem em seu consultório um prático e utilíssimo Contador Geiger.

- Observe o reflexo que aparece no vidro quando Zack se aproxima da janela (20min04s) para ver o que estava acontecendo próximo do local onde caiu o meteorito.

- Observe a cena aos 41min32s quando Alice sai da casa e passa correndo pela horta. Podemos ouvir ao fundo as galinhas cacarejando e um pouco depois a vemos entrando no galinheiro. A pergunta é: por que ela tirou os sapatos e as meias em entrou descalça no galinheiro?

- Numa cena em que a família está reunida à mesa (55min41s) e Frances já estava contaminada por “aquela coisa”, ela diz para seu filho Zack: "Eat your eggs, Wil". Traduzindo: “Coma seus ovos, Wil”. Deve ter sido os efeitos da contaminação que fizeram a atriz Kathleen Jordon Gregory chamar o personagem Zach pelo verdadeiro nome do ator, Wil (Wil Wheaton). Toda a equipe de produção também já devia estar sentido os efeitos daquela contaminação pois ninguém percebeu o erro. Mantive na legenda, propositalmente, exatamente o que Frances disse.

- Outra coisa interessante acontece próximo ao final do filme, quando é mostrada a casa pelo lado de fora (1h15min47s). Observe bem e veja se não é uma “lata de cerveja gigante” que está saindo de cena, lá nos fundos da casa, no exato momento do início daquela filmagem.


Quanto as legendas:

Procurei fazê-las de forma que a leitura fosse a mais agradável e coerente possível para facilitar o entendimento do filme. Vale lembrar também que muitos dos diálogos não estão representados por sua tradução literal. A seguir, alguns exemplos.

1) No início do filme, logo após uma discussão com seu meio-irmão, Zack diz: “That's a goddamn lie!”. E seu padrasto lhe dá um “belo” de um tapa na cara. A questão toda é que Nathan é extremamente religioso e considera uma blasfemia, um insulto a Deus, que seja pronunciada uma palavra na qual God (Deus) e damn (maldição) estejam associadas. A tradução mais usual seria “Essa é uma maldita mentira!”, mas não faria muito sentido levar um tapa na cara só por dizer “maldita mentira”. Optei por: “É mentira, cacete!” e Nathan dizendo apenas “Não seja vulgar”.

2) Durante uma conversa com Frances, o corretor de imóveis Charlie Davidson diz “... just between you and me and the lamp post...”. A tradução literal também não faria sentido: “apenas entre você e eu e o poste de luz”. Essa expressão significa que uma determinada informação deve ser mantida em segredo. Optei por “... aqui entre nós...”.

3) Numa conversa com o Dr. Forbes, Charlie Davidson diz “You Know, no sense to fix things that aren't broken”. Tradução literal: “Você sabe, não faz sentido consertar as coisas que não estão quebradas”. Em português seria algo como: “procurar cabelo em ovo” ou “chifre em cabeça de cavalo”. Optei por: “Não faz sentido procurar problemas onde não existe”. Mais tarde, Esther Forbes usará essa mesma expressão.

4) Num determinado momento do filme chega à cidade de Tellico Plains um carro da “TENNESSEE VALLEY AUTHORITY – TVA”. Essa agência foi criada em 1933 pelo presidente Franklin Roosevelt, durante o New Deal, para valorizar o vale do Tennessee, construir barragens e usinas hidrelétricas, promover a irrigação e assegurar o desenvolvimento regional. Se fosse aqui no Brasil seria uma espécie de Superintendência do Desenvolvimento do Vale do Tennessee. Mesmo assim, para facilitar e usar a sigla “AVT”, optei por “AUTORIDADE DO VALE DO TENNESSEE”.

5) Outra frase que não faz nenhum sentido em português é falada por Carl Willis “... they pull out of here quicker than you can say Jack Robinson!”, ou seja, “... eles vão sair daqui mais rápido do que você possa dizer Jack Robinson!” Essa é uma antiga expressão utilizada para indicar um período de tempo muito curto, normalmente de maneira sarcástica. Na Wikipedia diz que de acordo com o Grose's Classical Dictionary, publicado em 1785, é uma referência a um indivíduo cujas visitas sociais eram tão rápidas que ele conseguia ir embora antes mesmo que sua chegada fosse anunciada. Optei por: “... eles sairão daqui mais rápido que um piscar de olhos!”. Quem já assistiu a comédia romântica de ficção científica The Invisible Woman (A. Edward Sutherland, 1940) possivelmente deve se lembrar que também lá foi usada essa mesma expressão.


SCREENSHOTS

 


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

1984 - ADAPTAÇÃO FEITA PELA BBC COM PETER CUSHING - 1954



SINOPSE:

Dois anos antes da primeira adaptação para o cinema, a BBC realizou esta adaptação televisiva do romance. Esta adaptação provou ser altamente controversa, tendo sido questionada no Parlamento e recebido várias reclamações de telespectadores devido a seu conteúdo supostamente subversivo e de natureza perversa. Numa pesquisa conduzida pelo British Film Institute (Instituto Britânico de Cinema) para determinar os cem melhores programas de televisão da Grã-Bretanha do século XX, esta adaptação de 1984 apareceu na septuagésima terceira posição
Sendo até hoje considerada a melhor adaptação do livro de George Orwell

DIREÇÃO E PRODUÇÃO

Rudolph Cartier

ADAPTAÇÃO PARA TV

Nigel Kneale

ELENCO

Peter Cushing
André Morell
Yvonne Mitchell
Donald Pleasence
Arnold Diamond
Campbell Gray
Richard Williams

Formato: Avi / DVDRip
Tamanho: 1,36 giga
Duração: 107 minutos
Idioma: Inglês
Legendas: Português (srt na pasta) / TRADUZIDAS E SINCRONIZADAS POR PETER HAMMILL EXCLUSIVAMENTE PARA O SPACE MONSTER.

Links em 4 partes 4shared


senha p/descompactar
www.cinespacemonster.blogspot.com





COMENTÁRIOS
por Peter Hammill

1984 é um distópico romance de George Orwell, publicado em 1949 que retrata um mundo em guerra perpétua, a vigilância do governo onipresente, e o controle da mente pública , ditada por um sistema político eufemisticamente chamado Socialismo Inglês (Ingsoc), sob o controle de uma elite privilegiada do Partido Interno, que persegue todo o individualismo e o pensamento independente, taxando-os com "Crime de Pensamento". A tirania é chefiada pelo “Big Brother”, o líder do Partido quase-divino que goza de um intenso culto de personalidade, mas que provavelmente nem exista. Big Brother e o Partido justificam sua tirania em nome de um suposto bem maior.
O protagonista do romance, Winston Smith, é membro do “Partido Externo” e trabalha para o "Ministério da Verdade" ( Minitrue ) , o qual é responsável pela propaganda e revisionismo histórico. Seu trabalho é re-escrever artigos de jornal do passado para que o registro histórico sempre apóie a linha de pensamento atual do Partido. Smith é um trabalhador diligente e hábil , mas ele secretamente odeia o Partido e alimenta os sonhos de rebelião contra o Big Brother.
Como ficção política literária e ficção científica distópica, Nineteen Eighty -Four é um romance clássico em conteúdo, enredo e estilo . Muitos de seus termos e conceitos , como o "Big Brother", "duplipensar" , "crime de pensamento", "Novilíngua", "Sala 101", "teletela" , "2 + 2 = 5", e "buraco da memória" , entraram uso diário desde sua publicação em 1949.
A história de como este mundo evoluiu para três estados é muito vaga. Parecem ter sidos criados em um período pós guerra nuclear e dissolução civil, em algum momento durante os anos 1950-60s .




Oceania

Oceania é aparentemente composta por: Américas, Grã-Bretanha (Londres, onde Winston Smith, o personagem principal vive é chamada de " Airstrip One"), Irlanda, Islândia , Austrália, Nova Zelândia e Sul da África (abaixo do rio Congo). Ela também controla , em diferentes graus e em vários momentos durante o curso de sua guerra eterna com ou Eurásia ou Lestásia - as regiões polares , a Índia , a Indonésia e as ilhas do Pacífico. Isto é descrito em "A Teoria e Prática do Coletivismo Oligárquico" por Emmanuel Goldstein, declarado inimigo público número um da Oceania, após a fusão do Império Britânico com os Estados Unidos . O livro de Goldstein também afirma que a principal defesa natural da Oceania é o mar que a rodeia . Esta pode ser a razão pela qual o partido destaca as fortalezas flutuantes .

A doutrina dominante da Oceania é "Ingsoc" , o termo em Novilíngua para Socialismo Inglês, que em última análise é a expressão máxima do exercício do poder . Seu líder nominal é Big Brother, o qual as massas acreditam ter sido o líder da revolução e ainda é usado como uma figura de proa do partido, mas atualmente pode estar morto, ou talvez nunca tenha existido. O culto da personalidade é mantida através da função do Big Brother como um ponto focal para o amor, medo e reverência, emoções que são mais facilmente sentidas em relação a um indivíduo do que para uma organização.



A língua não-oficial da Oceania é o Inglês (oficialmente Oldspeak ) ea língua oficial é o Novilíngua. A reestruturação da linguagem visa em última análise, eliminar até mesmo a possibilidade do pensamento político e social heterodoxo, eliminando as palavras desnecessárias para expressá-la .
A sociedade da Oceania é nitidamente estratificada em três grupos: o pequeno e exclusivo grupo, controlado pelo governo, o "Partido Interno" , o mais numeroso e altamente doutrinado "Partido Externo" , e o grande corpo de "Proles" politicamente incorretos e não doutrinados. Exceto por algumas raras exceções como a "Semana do Ódio", os proles permanecem essencialmente fora do controle político da Oceania, sendo mantido a ordem, através de distrações triviais como esportes ou jogos de azar, fazendo com que a "Polícia do Pensamento" gerencie facilmente qualquer Prole.

O Hino nacional da Oceania é "Oceania, Isto por Ti", que, em uma das três versões cinematográficas do livro, assume a forma de um crescendo de música de órgão , juntamente com letras líricas . As letras são cantadas em Inglês, e a música é uma reminiscência do God Save the Queen e Die Stem van Suid -Afrika .






Airstrip One

Airstrip One, uma província da Oceania, atua como a configuração primária. Está localizada na chamada antes, "Inglaterra ou Grã-Bretanha", e é o lar dos personagens principais do livro, incluindo seu protagonista, Winston Smith.
Até mesmo os nomes dos países e suas formas no mapa , são diferentes.
No romance, a Grã-Bretanha é uma província dentro da superpotência Oceania que corresponde aproximadamente aos continentes da Américas, África do Sul e Oceania (como explicado no capítulo 3 do livro de Goldstein ) .
Eurásia compreende toda a parte terrestre da Europa e Asia , a partir de Portugal até o Estreito de Bering. Oceania compreende as Américas, as ilhas do Atlântico , incluindo as Ilhas Britânicas, Austrália e porção sul da África. Lestásia , menor que os outros e com a fronteira ocidental menos definida , compreende a China e os países ao sul do mesmo, as ilhas japonesas e uma porção grande, mas variável, da Manchúria , da Mongólia e do Tibet.
Assim como toda a Europa, a Grã-Bretanha foi atingida por armas atômicas nos conflitos devastadores que vieram antes das revoluções, primeiro em Oceania e, em seguida, em outros lugares. Uma cidade britânica, Colchester, é referenciada especificamente como tendo sido destruída; flashbacks da infância de Smith também incluem cenas de londrinos que se refugiavam em túneis do metrô da cidade em meio a um bombardeio .

Eurásia

Está implícito que a Eurásia foi formada quando a União Soviética absorveu o resto da Europa continental, criando uma única nação que se estende desde Portugal até o estreito de Bering . A ideologia dominante da Eurásia é relatado no livro como "Neo- Bolchevismo", apesar de Orwell frequentemente descrever o rosto do padrão eurasiano como "Mongol", na novela, e não como um tipo eslavo. É relatado no livro de Goldstein que a posse da Mongólia (e com ela, a Manchúria ) está sempre oscilando entre Eurásia e Lestásia . Além disso, os únicos soldados (exceto os de Oceania) que aparecem na novela são os Eurasianos. Alguns eslavos são também mencionados, mas o estereótipo do Eurasiano mantido pelo partido é o Mongol , como o valete de O'Brien , Martin. No entanto, é perfeitamente possível que, pelo fato de Oceania estar sempre em guerra com a Eurásia ou Lestásia, as tropas "Eurásianas" mostrados para as multidões sejam realmente "Lestasianas", e as multidões sejam incapazes de saber a diferença. De acordo com o livro de Goldstein, a principal defesa natural do Eurasia são suas vastas terras , o que é mais uma semelhança com a União Soviética .


Lestásia

Não há muita informação sobre Lestásia no livro. Sabe-se que ela é o mais novo e mais pequeno dos três super-estados . De acordo com o livro de Goldstein, ela surgiu uma década após a criação dos outros dois superestados, em algum momento da década de 1960, logo após anos de uma " luta confusa" entre suas nações anteriores. Também é dito no livro que a diligência e a fecundidade do povo de Lestásia lhes permite superar sua insuficiência territorial , em comparação com as outras duas super-potências.
As fronteiras da Lestásia não são tão claramente definidas como os outros dois superestados , mas sabe-se que, pelo menos, compreendem a maior parte da atual China, Japão e Coréia. Sabemos também que a Lestásia captura e perde repetidamente a Indonésia , Nova Guiné e diversos arquipélagos do Pacífico . Sua ideologia política, de acordo com o romance, provém de uma expressão chinesa geralmente traduzida como "Culto da Morte", mas talvez seja melhor entendida como "Auto - Obliteração".



Área Disputada

A "área em disputa" , que está entre as fronteiras dos super- estados, forma um quadrilátero aproximado (veja mapa), com cantos em Tanger, Brazzaville, Darwin e Hong Kong. Esta área é disputada durante a perpétua guerra entre as três grandes potências, com uma potência exercendo o controle sobre vastas áreas do território em disputa, apenas para perdê-lo novamente na próxima vez que as alianças mudarem. O controle das ilhas do Pacífico e das regiões polares também está em constante mudança, embora nenhuma das três superpotências nunca ganha uma retenção duradoura sobre essas regiões . Os habitantes da área, não tendo fidelidade a qualquer nação, vivem em um constante estado de escravidão, independente de quem assuma o poder.

Relações internacionais

O mundo de 1984 permanece em um estado de guerra perpétua entre as três grandes potências . Em um determinado momento, dois dos três estados estão alinhados em relação ao terceiro, por exemplo Oceania e a Eurásia ou Lestásia e a Eurásia, contra Oceania. No entanto, como o livro de Goldstein aponta, cada super-Estado é tão poderoso que até mesmo uma aliança entre os outros dois não podem destruí-lo, o que resulta neste impasse sem fim. De tempos


MAPA MUNDI FICTÍCIO
clique para ampliar



SCREENSHOTS


domingo, 27 de outubro de 2013

DIE, MONSTER, DIE! aka MORTE PARA UM MONSTRO – 1965




Poderá você enfrentar o máximo em satanismo...
poderá você suportar o autêntico terror?

Isso PODERIA acontecer!
Isso PODERÁ acontecer!
Isso PODE acontecer!

com VOCÊ!

SINOPSE:

Steven Reinhardt (Nick Adams) é um americano que chega em Arkham, um vilarejo rural da Inglaterra, para visitar Susan Witley (Suzan Farmer), uma amiga que conheceu na universidade. Mas do vilarejo até a casa de sua amiga Susan não será tão fácil assim. Ele percebe que basta pronunciar o nome da família da moça, Witley, que as pessoas da comunidade tornam-se hostis. Enquanto se dirige até a casa de Susan, atravessa uma região que parece ter sido devastada por um grande incêndio. Quando finalmente chega a casa de Susan é recepcionado pelo pai da moça, Nahum Witley (Boris Karloff), que insiste para que ele vá embora imediatamente. Mas ele decide ficar e tentará descobrir todos os mistérios e segredos que envolvem aquele lugar.

DIREÇÃO:

Daniel Haller

ELENCO:

Boris Karloff .......... Nahum Witley
Nick Adams .......... Stephen Reinhart
Freda Jackson .......... Letitia Witley
Suzan Farmer .......... Susan Witley
Terence de Marney .......... Merwyn
Patrick Magee .......... Dr. Henderson
Harold Goodwin .......... Taxi Driver
Sheila Raynor .......... Miss Bailey


Formato: Dvdrip Xvid Avi
Tamanho do arquivo: 972 MB
Duração: 1h 18min
Cor: colorido
Proporção da imagem: 2.25 : 1 (720x320)
Idioma: inglês
Legendas: português (srt, na pasta)

Links para download em 04 partes (4shared):

senha p/descompactar
www.cinespacemonster.blogspot.com


legendas traduzidas e sincronizadas por
Carlos Solrac



COMENTÁRIOS ( por Carlos Solrac ) :

DIE, MONSTER, DIE! é um filme de terror produzido pela American International Pictures e lançado nos Estados Unidos no final de outubro de1965.

Foi baseado no conto de terror “The Color Out of Space”, escrito por H.P. Lovecraft em 1927. Essa obra é conhecida aqui no Brasil com o título de “A Cor Que Veio Do Espaço”, ou ainda “A Cor que Caiu do Céu”.

Howard Phillips Lovecraft (20 Agosto de 1890 - 15 março de 1937) - mais conhecido como H.P. Lovecraft - foi um escritor norte-americano que revolucionou o gênero do Terror, criando um subgênero (ou talvez um novo gênero) chamado de Weird Fiction (uma tradução para esse termo poderia ser Ficção Bizarra).

A Weird Fiction mistura os conceitos do Terror (provocar no leitor uma resposta emocional ou psicológica para que o mesmo reaja com a sensação do medo) com outros dois conceitos que podem ser considerados contraditórios: a Fantasia (a aceitação por parte do leitor de um mundo estranho ou de criaturas estranhas sem que seja dada qualquer explicação para sua existência) e a Ficção Científica (a explicação da existência de um mundo estranho ou de criaturas estranhas de forma aceitável dentro da nossa realidade).

























Em DIE, MONSTER, DIE! o vilarejo de Arkham está localizado na zona rural de algum lugar da Inglaterra. No conto “The Color Out of Space”, de H.P. Lovecraft, a cidade de Arkam está localizada na ponta nordeste dos Estados Unidos, na região da Nova Inglaterra, mais precisamente no estado de Massachusetts.

Quem ainda não conhece e estiver interessado em ler “The Color Out of Space”, traduzido para o idioma português, poderá fazê-lo acessando o link abaixo (Scribd):

Se preferir, ou caso não tenha uma conta no Scribd, o download desse conto (em pdf) também poderá ser feito no link a seguir (4shared):
senha p/descompactar
www.cinespacemonster.blogspot.com

Talvez o problema desta versão (transcrita do primeiro livro de H.P. Lovecraft publicado no Brasil em 1966) é que nela são usadas algumas palavras que não fazem parte do nosso cotidiano.

Afinal, ninguém tem a obrigação de saber, por exemplo, o que é uma “charneca crestada”, o que significa “os mistérios da terra primeva”, as “fauces escancaradas de um poço abandonado” ou mesmo a “cegonha de um poço”.

Ou ainda saber que tipos de plantas são as aráceas (o nome pode não ser familiar, mas é pouco provável encontrar alguém que ainda não tenha visto, por exemplo, um pé de anturio, de copo-de-leite, de comigo-ninguém-pode, de tinhorão ou de costela-de-adão);

as saxífragas:

as jarrinhas ( Dutchman's breeches, no texto original ):

ou as sanguinárias ( bloodroot, no texto original ):

Mas não serão algumas poucas palavras que impedirão essa leitura. E para os que acham que levarão meses para terminá-la, não se preocupem pois são apenas 16 páginas. E realmente vale pena.

Quem preferir ler “The Color Out of Space” no idioma original (em inglês), poderá fazê-lo acessando o link:

E justamente por ter sugerido aqui nesta postagem a leitura de “The Color Out of Space”, não farei qualquer outro comentário a respeito desse filme.


SCREENSHOTS