quarta-feira, 26 de agosto de 2015

TORA TORA TORA - 1970 - DUBLAGEM CLÁSSICA PERI FILMES

POSTADO PRIMEIRAMENTE EM 10/05/2014


SINOPSE :

Este épico clássico sobre Pearl Harbor, um dos filmes de ação mais espetaculares já produzidos, recria com extremos detalhes o terrível ataque dos japoneses contra os americanos em Pearl Harbor



Formato: Avi / DVDRip
Tamanho: 1,34 GB
Duração: 144 minutos
Idioma: Português / DUBLAGEM CLÁSSICA PERI FILMES RIO DE JANEIRO

LINKS 4SHARED EM 3 PARTES:


senha p/descompactar
www.cinespacemonster.blogspot.com



COMENTÁRIOS


Tora! Tora! Tora! (japonês トラ・トラ・トラ!) realizado por Richard FleischerKinji Fukasaku e Toshio Masuda retrata, tanto do ponto de vista japonês como americano, a preparação, os eventos e os erros que possibilitaram o ataque a Pearl Harbor em 1941, fato que forçou a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. O título do filme é o código utilizado em caso de sucesso do ataque japonês, que traduzido para o português significa: "Tigre! Tigre! Tigre!". O filme, com um tom quase documental, obteve boas críticas com relação à sua fotografia, principalmente em suas cenas de ação, sendo que algumas passagens foram reutilizadas em outros filmes ambientados na Guerra do Pacífico.
O filme foi realizado por duas produções separadas, uma nos Estados Unidos, dirigido por Richard Fleischer, e outra com base no Japão. A produção japonesa foi inicialmente dirigida por Akira Kurosawa, mas após dois anos de trabalho e sem resultados utilizáveis, a 20th Century Fox entregou o projeto à Kinji Fukasaku, que o completou. Akira Kurosawa não teve seu nome incluído nos créditos.
O roteiro foi escrito por Ladislas Farago, Larry Forrester, Ryuzo Kikushima e Hideo Oguni, com base no livro de Gordon W. Prange. Charles Wheeler, foi nomeado ao Oscar. O filme contém uma segunda unidade de direção e de fotografia de miniaturas, filmadas por "RAY KELLOGG", os fãs  de Sci Fi lembram-se de kellogg principalmente por 2 filmes já postados aqui no Space Monster onde foi diretor , "THE KILLER SHREWS"( clique aqui para o post ) e "THE GIANT GILA MONSTER"( clique aqui para o post). A trilha sonora foi composta por Jerry Goldsmith.

RAY KELLOGG

RAY KELLOGG (na máquina) E BOB WEBB NA EDIÇÃO
 DO FILME "NUREMBERG" DE 1945

A frase pronunciada no filme pelo almirante Isoroku Yamamoto após o ataque, ""I fear all we have done is to awaken a sleeping giant and fill him with a terrible resolve.", que pode ser traduzido livremente para o português como: "Temo que tudo o que fizemos foi acordar um gigante adormecido e enchê-lo com uma terrível determinação", nunca foi realmente creditada como uma citação fidedigna. Nenhuma fonte pode comprovar que Yamamoto tenha pronunciado tal frase. É bem provável que tal citação tenha sido criada apenas para dar um efeito dramático. Tal frase reapareceu no filme Pearl Harbor.
capitão-de-mar-e-guerra Minoru Genda, da Marinha Imperial Japonesa e principal planejador tático do ataque a Pearl Harbor em dezembro de 1941, sobreviveu à guerra e participou da produção do filme como consultor técnico.

MINORU GENDA

Direção: 

Richard Fleischer, Kinji Fukasaku

Roteiro:
 Ladislas Farago, Larry Forrester

Elenco:

 Martin Balsam
Sô Yamamura
Jason Robards
James Whitmore
 E. G. Marshall
 Takahiro Tamura
Tatsuya Mihashi
Eijirô Tono



O que realmente foi o ataque a Pearl Harbor? A nação norte-americana, com todo seu aparato militar e tecnológico, foi completamente surpreendida pelo inimigo em seu ponto mais vulnerável? Essa é com certeza uma das questões de primeira grandeza do século XX e certamente não merece ser tratada com a frivolidade da produção de 2001 Pearl Harbor, do diretor Michael Bay. Conhecido por seus filmes com cara de propaganda de cartão de crédito, Bay inseriu um romance-pastelão horroroso na história para deixá-la, digamos, mais “digestível” para o público atual
Mas quem não ficou satisfeito com esse dramalhão-fiasco pode procurar refúgio emTora! Tora! Tora! (EUA/Japão, 1970), que com certeza não ficará decepcionado. O filme é, na melhor das definições, um retrato do ataque e dos eventos que o desencadearam.
Por ser uma produção conjunta dos dois países, na história não temos heróis e vilões, nem covardes ou heróis: temos personagens históricos que agiram de certa forma sob tais condições. O tom aqui é quase documental, inclusive com legendas explicativas apresentando os personagens mais importantes. A fidelidade histórica foi levada ao extremo, e o resultado agrada muito aos iniciados no assunto.

PORTA AVIÕES YORK TOWN DURANTE AS FILMAGENS DE TORA TORA TORA

Duas equipes de produção foram montadas: uma americana e uma japonesa. Inicialmente, o lendário diretor Akira Kurosawa dirigiria a parte japonesa, pois ouvira dizer que David Lean dirigiria a parte americana. Ao descobrir que Lean não estava envolvido com a produção, Kurosawa desanimou-se, gastando tempo e dinheiro e apresentando pouquíssimo resultado. Como conseqüência, foi demitido, e na montagem final é apresentado menos de um minuto do que ele filmou. Em seu lugar foi contratado Kinji Fukasaku, que assumiu competentemente a batuta. Do lado dos EUA, Richard Fleischer estava por trás das câmeras, filmando em locações no Havaí e Washington DC.


O nível das atuações é alto e em nenhum momento vemos traços de homens fanáticos e pouco inteligentes, como o “inimigo” costuma ser tratado usualmente por Hollywood. O destaque do elenco japonês é claramente Takahiro Tamura, que interpreta o Tenente-Comandante Mitsuo Fuchida. Fuchida é um homem de ação e um líder de homens nato. O carisma que Tamura empresta ao personagem que lidera o ataque ao porto americano, é mais um fator que leva o espectador a não tomar lados e não criar uma “torcida”, apenas assiste-se ao desenrolar da trama, que é muito bem costurada.
O filme, com seus 144 minutos, dedica quase a integridade seus dois terços iniciais ao desenvolvimento da trama, o que pode ser considerado tempo demais por alguns. Mas pode-se garantir que a espera pelo ataque vale cada segundo.


A decolagem das aeronaves japonesas é uma das cenas mais belas de qualquer filme de ação, com o fumo azulado dos motores brilhando contra a aurora. Os (muitos) caças japoneses em cena são modificações (bastante fiéis) de Texans T-6 e Valiants BT-13. O próprio porta-aviões Akagi é o USSYorktown (CVS 10) mascarado para parecer o antigo antagonista nipônico. O filme também aborda uma parte do ataque esquecida pelo Pearl Harbor de Bay: o ataque dos mini-submarinos japoneses. Um deles é mostrado tentando entrar no porto, e é atacado pelo destróier USS Ward. A cena do ataque foi baseada em relatos dos tripulantes do Ward, que clamavam ter atingido o mini-submarino em sua torre com um tiro de canhão. A descoberta recente dos destroços desse mini-submarino confirmou os relatos e o local exato do impacto. Uma curiosidade é que também aqui é mostrado o personagem Doris Miller (Elven Havard), interpretado em Pearl Harbor por Cuba Gooding Jr., fazendo a mesma cena em que assume a metralhadora antiaérea.



Dizem que uma boa cena de ataque se faz pela escala da catástrofe; por esse lado, Tora! Tora! Tora! tem fome de destruição. Dezenas de réplicas de caças Curtiss P-40 foram construídas somente para serem explodidas, e de forma bastante convincente. Numa seqüência impressionante, um dos caças tenta decolar em meio ao ataque, é alvejado durante a corrida, perde o cubo da hélice, desestabiliza-se e choca-se contra uma fileira de caças estacionados. É simplesmente estonteante! Pouco importa que essa mesma cena de destruição seja repetida por outro ângulo alguns minutos depois, é simplesmente espetacular! Algumas cenas não planejadas também deixaram o filme muito rico no quesito realismo: alguns B-17 são mostrados chegando ao arquipélago, bem em meio ao ataque, e um deles é atingido, travando a roda direita do trem de pouso. O que se segue é uma cena impressionante do pouso de uma Fortaleza Voadora sem uma das rodas! Na verdade, essa cena foi gravada durante um acidente nas filmagens, pois de forma alguma poderia ser feita propositalmente. Como ninguém ficou ferido e a aeronave foi restaurada, o acidente somente incrementou o nível da película. As cenas de combate aéreo também são dignas de nota, comparáveis em beleza às de A Batalha da Inglaterra.
Tora! Tora! Tora! ganhou o Oscar de Melhores Efeitos Visuais em 1970, e foi nomeado para quatro outras categorias. É definitivamente uma obra indispensável na videoteca de qualquer entusiasta da Segunda Guerra Mundial.


SCREENSHOTS



3 comentários:

  1. GIL

    NAO ESTA DESCOMPACTANDO, MENSSAGEM DE ARQUIVO DANIFICADO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Gil ! o arquivo no provedor está em perfeita ordem, se está dando está mensagem é porque o aquivo foi corrompido durante SEU DOWNLOAD.

      VAI TER QUE DESCOBRIR QUAL ARQUIVO E BAIXAR NOVAMENTE

      USE UM GERENCIADOR DE DOWNLOADS, QUE ISSO ACABA, OU BAIXE UMA PARTE POR VEZ E NÃO TODAS DE UMA VEZ, PRINCIPALMENTE SE A VELOCIDADE DE SUA INTERNET NÃO FOR MUITO BOA.

      E não esqueça de digitar a senha com cuidado

      Excluir
    2. Só para confirmar o que eu disse, já foi baixado mais de 180 vezes e você é o primeiro a reportar este problema

      Excluir

Para os que comentam anônimos, por não serem membros, pedimos que coloquem seus nomes ou apelidos no final ou inicío da mensagem