domingo, 31 de julho de 2016

TRILHA SONORA - THE DAY THE EARTH STOOD STILL - 1951

POSTADO PRIMEIRAMENTE ME 02/02/2011
                                                                         

Formato: MP3
Tamanho: 67MB
Qualidade: 256 Kbps
Duração: 38:45 minutos


 Faixas:

01 - Twentieth Century Fox Fanfare
02 - Prelude - Outer Space - Radar
03 - Danger 
04 - Klaatu
05 - Gort - The Visor - The Telescope
06 - Escape
07 - Solar Diamonds
08 - Arlington
09 - Lincoln Memorial
10 - Nocturne - The Flashlight - The Robot - Space Control
11 - The Elevator - Magnetic Pull - The Study - The Conference - The Jewelry Store
12 - Panic
13 - The Glowing - Alone - Gort's Rage - Nikto - The Captive - Terror
14 - The Prison
15 - Rebirth
16 - Departure
17 - Farewell
18 - Finale


EXTRAS

Link para o filme e trilha sonora postado por Acullen
Para quem estiver interessado em conhecer outras versões, gravações de sessões em estudio, versões tocadas por filarmonicas, entre outros, pode acessar este site MP3BIT, lá pode-se escutar ou baixar


****************************************************************

COMENTÁRIOS

A música para filmes de ficção científica tradicionalmente se classifica em uma de duas categorias: a primeira usa instrumentos eletrônicos (exclusivamente ou combinados com a orquestra), para criar um intenso mas quase frio som que mantém a audiência distante da ação; a segunda emprega uma orquestra de proporções “wagnerianas”, movimentos arrastados e grandes leitmotifs que levam os espectadores a uma aventura interestelar. As partituras de John Williams para Star Wars estabeleceram o molde para esta segunda categoria, mas para muitos cinéfilos, especialmente aqueles criados nos anos 1950, é o primeiro estilo que define o sci fi sound. O Dia em que a Terra Parou, de Bernard Herrmann, é o protótipo do primeiro estilo e pode-se dizer que, de muitos modos, o inaugurou. Um dos primeiros trabalhos de Herrmann em Hollywood, ele demonstra a sua fascinação por cores tonais afiadas interpretadas por grupos de instrumentos inovadores.

Para este filme o maestro utilizou um conjunto de três trompetes e trombones, quatro tubas, um sopro, dois órgãos Hammond, dois pianos, violino elétrico, violoncelos, contrabaixos, uma bateria de percussão completa e dois theremins. O theremin (para quem ainda não sabe) é um pioneiro instrumento eletrônico tocado movendo as mãos em volta de duas antenas. A localização da mão do músico muda a oscilação do sinal eletrônico, quase como se ele estivesse manipulando, em um daqueles rádios antigos, o zumbido ouvido entre as freqüências de duas estações. O resultado é um som “extraterrestre” que sobe e desce, como uma fantasmagórica voz humana em tom alto. Na visão de Herrmann, o instrumento representa os visitantes alienígenas Klaatu e seu robô Gort. O par de theremins, juntamente com outros instrumentos eletrônicos, foram geralmente agrupados em contraste com os sons mais tradicionais dos metais (os quais tocam frases tristes ou fanfarras militares) e pianos.

O resultado é uma sonoridade “de outro mundo”, que simboliza os embates entre cientistas, militares e visitantes alienígenas. Na música de abertura, “Prelude and Outer Space,” Herrmann inicia em um grande volume, introduzindo o tema principal com um glissando, seguido por um tema ascendente dos metais (sombras de “Also Sprach Zarathustra”). Os theremins finalmente entram em cena com sua sonoridade assombrada, ondulando a melodia antes de que todo o processo seja revertido (com os theremins ficando em um ponto intermediário). A faixa inicia do modo como começou, com um grande volume da orquestra mas também com um último acorde de theremin, indicando o modo como o filme se encerrará.

Este brilhante score, um marco na história da música do cinema, foi carinhosamente regravado por Joel McNeely para a série Film Score Classics da Varèse Sarabande, e lançado em 2003 praticamente junto com o filme em DVD (nos EUA). Esta edição, em relação às gravações originais da versão cinematográfica editada em CD nos anos 1990 pela Fox, apresenta como vantagens a qualidade de áudio muito superior e uma interpretação afinadíssima dos theremins. Mesmo assim as gravações históricas de Herrmann são indispensáveis, até porque foram utilizadas pela Fox como música de arquivo nas clássicas séries de Irwin Allen dos anos 1960 (especialmente em Perdidos no Espaço), e possuem uma sonoridade impossível de ser reproduzida à exatidão – mesmo Herrmann, em suas populares regravações de seus trabalhos, não conseguiu fazê-lo.

Enfim, o que importa mesmo é que, em qualquer versão, o score de Herrmann (que está a anos luz da trilha que Tyler Bates compôs para a fraca refilmagem de 2008) é indispensável, não somente por sua importância histórica mas também pelo puro prazer que sua audição proporciona.
Matéria publicada por SCI FI BRASIL.


Bernard Herrmann (1911-1975)

Muitos discutem se Bernard Herrmann foi o maior compositor de cinema que já existiu. Mas é indiscutível que Herrmann, graças ao seu legado em termos de estrutura musical, uso de instrumentação inovadora e estilo de composição, teve grande influência no modo como os filmes passaram a ser musicados, e conquistou seu lugar ao lado de Miklos Rozsa, Erich Wolfgang Korngold, Franz Waxman, Alfred Newman e Max Steiner na galeria dos grandes compositores da Era de Ouro de Hollywood. Nascido em Nova York no dia 29 de junho de 1911, Herrmann foi um prodígio que iniciou a compor ainda adolescente, e aos 20 anos de idade formou uma orquestra. A sua amizade com o então apenas promissor diretor Orson Welles levou-o a compor para muitos dos programas de rádio de Welles, e principalmente ao seu primeiro score cinematográfico em 1941 - CITIZEN KANE. Nos trinta anos que se seguiram, Herrmann compôs algumas das mais inovadores e marcantes trilhas que o cinema conheceu. A filmografia de Herrmann contém tantas obras-primas que é difícil destacar alguma: THE MAGNIFICENT AMBERSONS, THE GHOST AND MRS. MUIR, THE WRONG MAN, VERTIGO, NORTH BY NORTHWEST, PSYCHO, CAPE FEAR...

Em contraste ao estilo que prevalecia em Hollywood, as trilhas de Herrmann, no lugar de luxuriantes arranjos para toda a orquestra, possuíam orquestrações incomuns, normalmente dando ênfase a uma categoria específica de instrumentos. É o caso da música de PSICOSE (1960), composta exclusivamente para cordas. Igualmente inovador foi o uso de temas breves e facilmente reconhecíveis, ao invés de melodias mais longas. Herrmann conquistou o Oscar em 1941 por THE DEVIL AND DANIEL WEBSTER, sendo também indicado por CITIZEN KANE (1941), ANA AND THE KING OF SIAM (1946), TAXI DRIVER (1976) e OBSESSION.

Herrmann e Hitch (no set de THE TROUBLE WITH HARRY)
Apesar de Herrmann ter sido um sujeito difícil e irascível, ao longo de sua carreira manteve com sucesso algumas parcerias com diretores e produtores. De fato, o compositor é lembrado pelo cinéfilo principalmente por sua colaboração com o mestre do suspense, Alfred Hitchcock. Dentre as muitas trilhas para Hitchcock, destacam-se THE MAN WHO KNEW TOO MUCH (1956) - no qual aparece conduzindo uma orquestra - VERTIGO (1958) e o já citado PSYCHO (1960).

Tão importante quanto a colaboração com Hitchcock foi a obra de Herrmann dedicada ao cinema fantástico. Filmes como THE 7th VOYAGE OF SINBAD (1958), THE THREE WORLDS OF GULLIVER (1960), MYSTERIOUS ISLAND (1961) e JASON AND THE ARGONAUTS (1963), em parceria com o mestre dos efeitos especiais Ray Harryhausen, tiveram suas cenas filmadas quadro-a-quadro engrandecidas pela música enérgica e criativa do compositor. Como nenhum outro de seus colegas, "Benny" (como seus amigos o chamavam) conseguia não apenas criar melodias para acompanhar as imagens de um filme, mas também transportar essas imagens para a música, elevando-a para uma nova dimensão de impacto.

A partir de 1993, uma série de relançamentos e regravações em CD trouxeram a obra de Herrmann para toda uma nova geração de apreciadores de trilhas sonoras. Destaca-se na extinta Fox Classic Series THE DAY THE EARTH STOOD STILL (1951), com a gravação original remasterizada em estéreo. A London relançou várias suítes de obras conduzidas pelo compositor nos anos 60 e 70 (já editadas nos anos 80 nos 4 CDs de The Concert Suites), e a Marco Polo produziu uma nova gravação de JANE EYRE (1944), à qual seguiu-se GARDEN OF EVIL (1954)

A Rhino lançou a primeira versão integral da trilha de NORTH BY NORTHWEST (1959), mas sem dúvida o mérito maior fica com a tradicional gravadora Varèse Sarabande, que ao lado de outros títulos de Herrmann em catálogo, adicionou regravações conduzidas por Joel McNeely de FAHRENHEIT 451, VERTIGO (além da versão expandida da gravação original), THE TROUBLE WITH HARRY e PSYCHO. A Varèse também retomou a série clássica da Fox com a gravação estéreo original de JOURNEY TO THE CENTER OF THE EARTH (1959) e THE GHOST AND MRS. MUIR. Nesta primeira edição integral de VIAGEM AO CENTRO DA TERRA, as orquestrações graves e majestosas, sem qualquer tipo de cordas e com o uso de vibrafone, metais, cinco órgãos e harpas, a música mostra ser o verdadeiro cenário do filme. Nela podemos visualizar as cavernas gigantescas, os monstros pré-históricos, a cidade perdida de Atlântida, as explosões vulcânicas. Na nova edição de PSYCHO (VSD-5765), de um modo geral, o condutor conseguiu recriar o ritmo e o tempo da música de Herrmann, porém haverá quem ainda prefira a versão que o próprio autor regravou em 1975, conduzindo a National Philarmonic Orchestra, ou até mesmo a excelente adaptação que Danny Elfman fez da trilha para a controvertida refilmagem de 1998. O CD de McNeely, contudo, possui alguns bônus - uma versão alternativa da sequência pós-assassinato, e mais importante, o tratamento original de Herrmann para a faixa "Discovery". No filme, Hitchcock preferiu repetir os violinos do assassinato do chuveiro na cena em que Vera Miles descobre o cadáver embalsamado da mãe de Norman Bates (Anthony Perkins). A série de McNeely prosseguiu com CITIZEN KANE e a trilha rejeitada por Hitchcock para TORN CURTAIN.


Entre as recentes regravações de obras de Herrmann, ainda citamos THE 7th VOYAGE OF SINBAD (VSD-5961), conduzida por John Debney, a primeira versão completa em CD de JASON AND THE ARGONAUTS (MAF-7083), conduzida por Bruce Broughton (ver em CDs comentados), e THE EGYPTIAN, composta em parceria com o grande Alfred Newman. Bernard Herrmann morreu em 23 de dezembro de 1975, algumas horas após encerrar as gravações de TAXI DRIVER, de Martin Scorcese, trilha relançada em 1998 pela Arista em uma estupenda e completa edição. Scorcese, aliás, era um grande fã do compositor, a quem teve a oportunidade de homenagear quando refilmou CAPE FEAR (1991): reutilizou a trilha do filme original composta por Herrmann, adaptada por Elmer Bernstein, juntamente com trechos do score não utilizado em TORN CURTAIN

LÉON THEREMIN
1896 - 1993


Se Deus ou Deuses ou Anjos ou Diabos tocassem um instrumento musical, esse instrumento seria, sem dúvida, o Theremin. Apoteótico, reveste-se de um som etéreo, capaz de invadir o corpo, capaz de estilhaçar a alma. É mágico. Um instrumento musical que não se toca. Ou que se toca sem se tocar. O instrumentista do Theremin, ou theremista, assemelha-se a um maestro sem batuta, a comandar uma orquestra invisível, a embriagar o ouvinte com éter. O Theremin soa como o vento na frincha da janela, como o canto hipnótico de uma sereia, como a presença invisível de um fantasma.

Quando se imagina Lenin a tocar este instrumento vê-se Leni a comandar as tropas. Porquê? Porque sim: Lenin tocava Theremin. Lenin gostava tanto do então bizarro instrumento que até encomendou 600 exemplares para distribuir pela União Soviética e ainda mandou o seu inventor dar uma volta aos Estados Unidos da América a anunciar a invenção da música electrónica. É verdade. O Theremin é o primeiro instrumento musical totalmente electrónico, o instrumento precursor da música electrónica.


Léon Theremin jovem
Em plena Guerra Civil Russa, o inventor Léon Theremin andava às voltas com uma investigação patrocinada pelo governo russo em sensores de proximidade. Basicamente era um estudo sobre as interferências das mãos nos transmissores radiofónicos que alteravam as frequências e prejudicavam irritantemente as comunicações. Certamente dotado de uma sensibilidade fora do comum, o senhor Theremin foi rodeado pela beleza sonora quase surreal que advinha de tão incómoda interferência. Tinha à sua frente dois osciladores (basicamente duas antenas de metal) de alta frequência por onde circulava a invisível corrente eléctrica, e quando aproximava a mão de uma das antenas, ao alterar a sua frequência, surgia misterioso e infinitamente belo este som que o percorria, como um arrepio pela coluna, como uma corrente leve e agradável. Reparou entretanto que com uma mão conseguia controlar a frequência e com a outra a amplitude, ou volume. Foi então que decidiu amplificar estes sons novíssimos e ligar o instrumento a uma coluna. Aí deu-se o êxtase. O orgasmo sonoro.

LÉON THEREMIN

A patente do Theremin aconteceu em 1928. Começou por chamar-se etherphone (“telefone de éter?”), Thereminophone (“telefone do sr. Theremin?”) e Termenvox (“a voz de Termen” – em homenagem ao mesmo sr. Theremin cujo nome de nascença é Lev Sergeyevich Termen).

Na sua viagem pelos Estados Unidos da América, foi oferecido a Léon Theremin um estúdio onde ele treinou diversos músicos com o intuito de levar estes novos sons ao grande público. Tudo parecia estar a correr bem até que, em 1938, e por motivos um pouco obscuros, Léon foi obrigado a regressar à União Soviética deixando para trás o estúdio, a fama, os amigos e a sua mulher. Alguns desses motivos um pouco obscuros da sua fuga forçada podem ser desvendados na sua biografia – Theremin: Ether Music and Espionage (“Teremim: Música Etérea e Espionagem”) –, escrita por Albert Glinsky após o seu reaparecimento, 30 anos depois.

Permitam apresentar Clara Rockmore. Clara Rockmore não era uma rapariga que queria mais rock. Clara era uma pródiga estudante de violino russa e adorava música clássica. Aos cinco anos era já considerada extraordinária, até que um problema nas mãos lhe retirou o violino do pescoço e a fez dedicar-se às cordas invisíveis do Theremin. Como aluna predilecta do inventor deste novo instrumento, Clara tornou-se rapidamente a melhor theremista do mundo e acompanhou o seu mestre na viagem encomendada por Lenin. Nos Estados Unidos da América fez vários espectáculos deslumbrando plateias com o seu método único – o “dedilhar aéreo” –, tocando o instrumento com uma precisão sem paralelo.

Inicialmente, o Theremin foi concebido para tocar música clássica e até para substituir orquestras inteiras com a sua “música etérea”. Tal não aconteceu, inclusive acabou por cair em esquecimento depois da II Guerra Mundial, quando se calaram as bombas e rebentou uma nova vaga de instrumentos electrónicos. Por onde andou o Theremin este tempo todo? Um pequeno nicho de aficionados foi utilizando o instrumento nas suas composições ao longo dos anos, tendo havido um breve ressurgir nos anos 60 e 70 em bandas como, por exemplo, os Led Zeppelin. Foi em 1993, com o lançamento do documentário Theremin: An Electronic Odyssey ("Teremim: Uma Odisseia Electrónica"), dirigido por Steven M. Martin, que, aliado ao revivalismo da música contemporânea, fez com que as etéreas frequências do Theremin passassem a ser utilizadas com maior frequência. Neste documentário podemos assistir a várias entrevistas com figuras lendárias da indústria musical e, peculiarmente, uma entrevista com o próprio Léon Theremin.

A magia do instrumento de Deus e do Diabo foi utilizada em diversas bandas sonoras e por muitos grupos musicais. Actualmente despoleta um renovado interesse e podem ser adquiridos em diversos fabricantes modelos como o PAIA’s Theremax, o Wavefront’s Classic e o Travel-Case. A Moog Music Inc., de Robert Moog (pioneiro da música electrónica que construiu centenas de Theremins muito antes de construir sintetizadores) produz os conhecidíssimos modelos Etherwave. De relevar que sem Moog o Theremin poderia não ter sobrevivido como um instrumento vivo, em que agora se redescobre a magia do éter.
Matéria publicada em: http://obviousmag.org/archives

LÉON THEREMIN E SUA INVENÇÃO





CÉLIA SHEEN A GRANDE ARTISTA RESPONSÁVEL POR TOCAR O THEREMIN NA TRILHA SONORA



9 comentários:

  1. http://cinespacemonster.blogspot.com/2010/08/o-dia-em-que-terra-parou-1951.html

    carlos, tem o link pra baixar a trilha e alguma coisa sobre o theremin, pode aproveitar =)

    ResponderExcluir
  2. Nossa acullen eu nem lembrava que tinha esta trilha aqui, valeu vou fazer a matéria e colocar o link.

    ResponderExcluir
  3. Mandei mal de pedir um álbum já postado no blog, desculpe. Mas ficou legal a matéria.

    Mais uma curiosidade sobre o Theremin: existe uma banda russa de rock psicodélico que faz um som inspirado em velhos filmes de ficção científica e terror, do qual fez parte uma sobrinha-neta de Leon Theremin. Chama-se Messer Chups, sobre a qual há mais informações nesse artigo no blog Boogie Woodie:

    http://boogiewoody.blogspot.com/2008/01/messer-chups.html#links

    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. nossa, a matéria ficou excelente !!! valeu a pena o leitor ter pedido de novo a trilha sim \o/

    outra coisa, carlos, se voce quiser eu tenho a trilha (e o filme) The Trouble with Harry (hitchcock) citado na matéria, né nem pra postar que não é do tema aqui do blog, mas se voce quiser pra assistir, é muito legal o filme

    ResponderExcluir
  5. Nossa eu quero sim acullen, você tem postado no seu blog? se não me passa o link quer sim os 2.

    ResponderExcluir
  6. Mandou mal nada Thinto, nem eu lembrava mais que tinha a trilha, foi ótimo porque os posts vão ficando para trás e agente tem que ir lembrando deles, e a postagem da acullen esta ótima
    Cara e fui ver o blog ,essa banda deve ser ótima, vou procurar e postar aqui, o visual da banda e os temas é totalmente filmes B dos 50's

    ResponderExcluir
  7. http://acullendontpanic.blogspot.com/2010/09/o-terceiro-tiro.html

    carlos, nos comentários do post tem os links do filme e o link e informação da trilha

    é a estréia da shirley MacLaine, novinha, nessa comédia de humor negro do hitchcock, com trilha do Herrmann, ou seja, uma preciosidade

    ResponderExcluir
  8. Legal, vou baixar, eu adoro Hitchcock e também a Sra.MacLaine, principalmente novinha, ela é um sonho do paraíso em forma de gente, na minha opinião ela, a Grace kelly a princesa de Monaco é incrível como este título combinou com ela ,por que na verdade as princesas que tenho visto antigamente e até hoje em dia, pricipalmente as inglesas são feias pra caraca, e a Rita Hayworth, são as estrelas mais lindas que já puseram o pé em Hollywood.
    Mas tirando isso, o legal de se comentar sobre cinema, é o que você acaba conhecendo que se tem relação direta ou indireta, sobre o assunto, e consequentemente fica-se curioso em ver os filmes relacionados!

    ResponderExcluir

Para os que comentam anônimos, por não serem membros, pedimos que coloquem seus nomes ou apelidos no final ou inicío da mensagem