sexta-feira, 8 de outubro de 2021

MONSTROSITY aka THE ATOMIC BRAIN (1963)


SINOPSE: 

Uma milionária velha e tirânica contrata um cientista inescrupuloso para encontrar uma maneira de transplantar seu cérebro em um corpo belo e jovem. Como as experiências com cadáveres roubados falha, decidem então contratar três jovens garotas estrangeiras como domésticas para que uma delas seja o novo corpo escolhido.

Direção:
Joseph V. Mascelli


ELENCO:

Creditados:

Marjorie Eaton como Sra. Hettie March
Frank Gerstle como Dr. Otto Frank
Frank Fowler como Victor
Erika Peters como Nina Rhodes
Judy Bamber como Bea Mullins
Lisa Lang como Anita Gonzalez
Xerxes como O Gato

Não creditados:

Margie Fisco como cadáver ambulante
Ator não nomeado como Hans
Ator não nomeado como Vigia Noturno
Bradford  Dillman como o Narrador



FORMATO: MKV/Web-DL
DURAÇÃO: 65 minutos
TAMANHO: 1.34 Gb
IDIOMA: Inglês
LEGENDAS: Português ( srt na pasta ) por KARAMAZOV

LINK MEGA:

LINK ULOZ:






COMENTÁRIOS:


Ed Wood, o Rei do Sci-Fi B, ficaria orgulhoso deste filme. A mistura de terror e ficção científica com tema atômico já fora abordada por Wood em seu The Bride of the Monster (1955) e Monstrosity/The Atomic Brain revisita o assunto: cientista louco, transplantes de cérebros, homem-cão, mulher-gato e uma adorável garota zumbi são alguns dos elementos apresentados. Junte-os com uma narração em off totalmente desnecessária, uma trilha de desenho animado e péssimas atuações e terá uma receita de sucesso para um “tão-ruim-que-é-bom”.

Filmado em dez dias por Joseph Mascelli, The Atomic Brain é um clássico “Faça-Você-Mesmo” de Hollywood. Além das semelhanças do filme com a obra de Wood no final dos anos 50, a pós-dublagem, a narração monótona e uma localização claustrofóbica singular (uma antiga mansão localizada ao redor de Hancock Park em Los Angeles) cimenta a experiência. Este é o perfeito tipo de filme de charme estranho que inspira buscas globais para descobrir sua existência. Por sorte, não é preciso ir tão longe, então saboreie todos os 65 minutos.

O filme começa no laboratório subterrâneo do Dr. Frank (Frank Gerstle: THE MAGNETIC MONSTER, D.O.A., THE NEANDERTHAL MAN, KILLERS FROM SPACE, THE WASP WOMAN, SHOCK CORRIDOR, THE FOUR SKULLS OF JONATHAN DRAKE) enquanto um narrador (Bradford Dillman: JIGSAW, FEAR NO EVIL, THE MEPHISTO WALTZ, ESCAPE OF THE PLANET OF THE APES, REVENGE, THE RESURRECTION OF ZACHARY WHEELER, MOON OF THE WOLF, CHOSEN SURVIVORS, THE DISAPPEARANCE OF THE FLIGHT 412, DEMON, DEMON BUG, THE SWARM, PIRANHA, LORDS OF THE DEEP) nos informa que o cientista está trabalhando para a Sra. March (Marjorie Eaton: ZOMBIES DE MORA TAU, NIGHT TIDE, THE KILLING KIND, THE REINCARNATION OF PETER PROUD, CARDIAC ARREST, THE ATTIC) uma velha avarenta e milionária em busca da vida eterna.

O Dr. Frank procura, através de cirurgias experimentais de transplante de cérebros de animais em cadáveres, uma maneira de transferir o cérebro de sua tirânica patroa para outro corpo, jovem e belo. As primeiras experiências falharam, produzindo monstruosidades como Hans, o homem-cão (inexplicavelmente o transplante do cérebro canídeo faz com que Hans desenvolva presas e pêlos no rosto como um lobisomem de filmes dos anos 40). O cientista crê que precisa de corpos frescos e, com a ajuda do homem-cão, rouba o cadáver de uma garota para continuar seu experimento. Infelizmente, é um novo fracasso, e o que resulta é apenas uma beldade zumbi sem cérebro, mas que pode ter algum uso “divertido” para Victor (Frank Fowler), o “gigolô” tratado como criado pela Sra. March.

O tema de instalar um cérebro existente em um novo corpo jovem era particularmente novo em 1964. Em The Brain That Wouldn't Die (1962), o Dr. Bill procura por um corpo fresco no qual ele possa instalar a cabeça de sua noiva. Em The Madmen of Mandoras (1963), presumivelmente se procurava um corpo jovem no qual pudesse transplantar a cabeça/cérebro de Hitler. Em Creation of the Humanoids (1962) as pessoas "salvariam" sua consciência para que, após a morte, pudessem ser transferidas para um novo corpo. Uma variação do tema está em She Demons (1958), na qual o sinistro Dr. Osler extraía os hormônios de "beleza" das mulheres jovens para restaurar a beleza de sua esposa.

Como os cadáveres não estão funcionando para as experiências do cientista, a Srta. March coloca um anúncio nos jornais procurando contratar mulheres jovens como empregadas domésticas. March mora perto de Hollywood, portanto, há um grande número de mulheres bonitas no mundo que querem uma viagem aérea gratuita para lá. As mulheres respondem de todo o mundo, enviando seus currículos junto com suas fotografias. March escolhe apenas aquelas que acha que são as mais belas: as que ela gostaria de ser.

Logo a Srta. March está inspecionando pessoalmente três garotas, até mesmo pedindo que tirem suas roupas para que possa ver bem seus corpos nus e determinar qual delas gostaria de ser. As três jovens, Anita Gonzalez (Lisa Lang) do México, a estonteante e idiota Beatrice 'Bea' Mullins (Judy Bamber: A BUCKET OF BLOOD) da Inglaterra e a austríaca, Nina Rhodes (Erika Peters: MR. SARDONICUS, HOUSE OF THE DAMNED), não percebem isso, é claro. Pensam que a Srta. March está preocupada com possíveis problemas de saúde. A escolhida é Beatrice e as outras duas são tratadas como as cobaias dispensáveis que serão em breve.

Se este filme “tinha pernas” no início da década de 1960, foi provavelmente porque os jovens com carga hormonal esperavam ver mais da atriz Judy Bamber.



Acima Judy Bamber em fotos desinibidas
e abaixo mostrando seu dorso em Monstrosity e A Bucket of Blood





Lembrem-se, crianças, isto foi muito antes da pornografia na Internet.


O enredo, no qual Jack Pollexfen também é creditado como um dos escritores, junto com Vy Russell e Sue Dwiggens (INDESTRUCTIBLE MAN) e Dean Dillman Jr. (seu único título como escritor e produtor), está recheado de inconsistências científicas: a mutação canina já referida de Hans, cirurgias que não deixam qualquer tipo de cicatriz, cérebros pequenos de animais como cães e gatos que se alojam perfeitamente nas caixas cranianas de humanos e o uso de um cíclotron para reanimar cadáveres, fará a alegria dos fãs de Sci-Fi B.

Inexplicavelmente, o compositor Gene Kauer (THE ASTOUNDING SHE-MONSTER, THE CAPE CANAVERAL MONSTERS, THE BEAST OF YUCCA FLATS, THE ICE HOUSE, CLAWS, MONSTROID) pensou que seria uma grande ideia ter uma seção de sopro e um xilofone tocando música tola de desenho animado ao longo do filme. O que sem dúvida salvou THE ATOMIC BRAIN foi o fato de que, em algum momento, os adolescentes hormonais poderiam ver mulheres quase nuas, suas belezas cobertas apenas por uma fina cinta de metal.

Sem nunca se cansar, a ridícula música "Looney Tunes", junto com o narrador, a direção irregular e as más atuações, fazem deste filme um desastre.

Segundo o IMDb, houve dois diretores: Joseph V. Mascelli – que ficaria famoso mais tarde por seu livro “Os Cinco Cs da Cinematografia” - e o não credenciado Jack Pollexfen (THE MAN FROM PLANET X, SWORD OF VENUS, PORT SINISTER, THE NEANDERTHAL MAN, DRAGON'S GOLD, INDESTRUCTIBLE MAN, DAUGHTER OF DR. JECKYLL). Pollexfen demitiu Mascelli durante a produção e terminou ele mesmo de dirigir o filme, mas foi esperto o bastante para não incluir seu nome nos créditos.




CURIOSIDADES:

O co-produtor e co-escritor Dean Dillman Jr. foi o irmão mais velho do ator Bradford Dillman que narrou o filme.

Em uma entrevista com o historiador do cinema Tom Weaver, Pollexfen disse que Monstrosity "foi filmado por volta de 58, com um elenco basicamente amador". Foi originalmente orçado em 25.000 dólares, mas acabou com um custo final de "cerca de 40.000 dólares", e foi o único filme com o qual ele estava ligado que nunca teve lucro. Pollexfen disse que "tudo deu errado" com a realização do filme. Ele o chamou de "certamente o pior filme com o qual eu já estive envolvido" e seu menos favorito dos filmes em que ele havia trabalhado.

De acordo com o American Film Institute, Monstrosity foi lançado nos cinemas em setembro de 1963. Entretanto, só foi revisado por Variety depois de uma exibição num cinema de Hollywood em 9 de dezembro de 1964, cerca de 15 meses depois de seu lançamento oficial. E como parte de uma pergunta que Weaver fez a Pollexfen na entrevista, Weaver se referiu ao filme como sendo lançado "por volta de 1964", aproximadamente seis anos depois de ter sido feito em 1958.

A acadêmica Bonnie Noon analisou Monstrosity em seu livro "Gender in Science Fiction Films 1964-1979: A Critical Study". Ela observa que tanto mulheres quanto homens são retratados de formas estereotipadas de gênero. O filme desvaloriza "mulheres de uma certa idade" na forma da Sra. March, que quer substituir seu corpo inaceitavelmente envelhecido por um mais jovem. Mas o filme "também é crítico em relação aos homens". Victor (Frank Fowler), "companheiro masculino de longa data" da Sra. March, "não é retratado como um homem digno de grande consideração". Um exemplo é como Victor se refere à garota-zumbi: "Ela não tem cérebro? Pode ser vantajoso."

"Bobb", cuja crítica do filme está na edição de 16 de dezembro de 1964 da revista Variety, tem pouco a dizer sobre o filme. Ele escreve que "Monstrosity (Monstruosidade) prova que seu nome não é um nome equivocado" e que é uma "tentativa de chocar, mal dirigida e mal escrita". Em sua opinião, "é difícil distinguir os zumbis dos outros atores", e ele aponta que "Nina, Bea e Anita perdem seus sotaques estrangeiros no meio do filme".

Os revisores mais recentes não estão mais bem impressionados do que "Bobb" estava. Escrevendo na The Zombie Movie Encyclopedia, o acadêmico Peter Dendle o chama de um "horror merecidamente infame" que inclui a "mais antiga declaração explícita de que a decadência cerebral é responsável pela diminuição da inteligência zumbi". Aqui, o Cadáver Andante, uma "criatura que anda e respira, semelhante a um zumbi" exibe "apenas funções motoras básicas", pois ela "vagueia pelo laboratório da adega com seu manto branco e pés descalços com um olhar vazio".

Mas como os zumbis não figuram de forma proeminente na narrativa, o historiador do cinema Glenn Kay categoriza Monstrosity como um filme de "Zumbi sem Zumbis". Ele o chama de "um divertido e ridículo esforço de drive-in", um filme que é "tão ruim, que é bom".

O historiador do cinema Jamie Russell também encontra pouco que cause uma impressão favorável. Ele escreve que as únicas monstruosidades a serem vistas são "uma mulher com cérebro de gato, um homem com cérebro de cão e uma garota-zumbi cuja matéria cerebral foi descartada". Semelhante a Kay, ele o chama de "cinema trash", mas "não sem diversão perversa".

O crítico Mike Bogue escreve que "Provavelmente a melhor coisa sobre o filme é sua duração, pouco mais de uma hora. Embora não seja tão horrível como The Beast of Yucca Flats (1961), Monstrosity ainda é duro de roer. Entretanto, os atores são bastante bons para este tipo de filme". Ele também observa que enquanto "Hans é mencionado como uma Monstruosidade (...) os espectadores podem sentir que a verdadeira monstruosidade é o próprio filme".

Em "Zombiemania: 80 Filmes Para Morrer", o acadêmico e autor Arnold T. Blumberg escreveu que a versão de "Mystery Science Theater 3000 é a única que pode ser assistida".

Sob o título The Atomic Brain, o filme foi exibido no episódio #518 do Mystery Science Theater 3000, exibido pela primeira vez em 4 de dezembro de 1993. Não chegou ao top 100 em uma pesquisa de opinião do MST3K Season 11 Kickstarter backers; da mesma forma, o escritor Jim Vorel, em seu ranking de todos os 191 episódios do MST3K, colocou o episódio em #151, chamando-o de "uma peça monótona de Preto & Branco ... [que] parece intercambiável com qualquer um dos MUITOS outros episódios de 'cientista louco'".

O filme foi adaptado para um musical em 2010. A peça é descrita como "perfeita para escolas secundárias e teatros comunitários", com "vários papéis femininos fortes", "conteúdo adequado para todas as idades" e "gatos dançarinos".

Xerxes, o gato, era de Judy Bamber.

Embora tivesse dirigido e rodado filmes no exército, este foi o único crédito de diretor em um longa-metragem civil para Joseph V. Mascelli. Ele é mais lembrado por seu livro "Os Cinco Cs de Cinematografia", que, mais de 55 anos depois (2020), permanece impresso e é considerado um clássico e um dos textos mais importantes da cinematografia.

O filme, realizado em dez dias em 1958, só foi lançado em 1963. De acordo com o produtor Jack Pollexfen, a produtora faliu perto da metade das filmagens, não deixando dinheiro para terminar o filme. Eles tentaram consertá-lo na sala de montagem durante os anos seguintes, mas foi impossível.

O corpo nu na primeira cena é interpretado por Margie Fisco. Ela tinha 19 anos, e este foi seu segundo de apenas dois papéis; seu primeiro foi Kipling's Women (1961), onde ela interpretou uma nudista e tinha apenas 16 anos na época.

Marjorie Lee Eaton atuou como a Imperatriz Palpatine no lançamento original de The Empire Strikes Back, embora seu rosto estivesse mascarado e sua voz dublada.

Judy Bamber seguiu carreira como modelo de revistas masculinas.



SCREENSHOTS:


8 comentários:

  1. Puta que pariu , faz décadas que estou com idéia de fazer essas legendas
    NÃO TEM COMO AGRADECER CARA, MUITO , MUITO OBRIGADO MESMO !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkk! Sabia que ia gostar desta postagem, Carlos! Encontrei o filme faz algum tempo e quando assisti já tive vontade de legendar e trazer para cá, pois ele é a cara do Cine Space Monster!

      Excluir
  2. O SPACE MONSTER TA CADA VEZ MELHOR
    SÓ TEM CARA FODA COMPARTILHANDO AQUI
    VALEU MEMSO !!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foda são vocês, Carlos, Major e todos os que já participaram do blog, nós que agradecemos por ter criado esse espaço incrível que é o CINE SPACE MONSTER!
      Difícil é encontrar algum filme B que já não esteja aqui, mas ainda tenho alguns para trazer para cá que sei que vai gostar bastante também, aguarde!

      Excluir
  3. Filme hilário e cheio de beldades, um prazer para os olhos e uma ótima diversão. Excelente post, Karamazov, congratulations!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é mesmo muito engraçado e com certeza as beldades são um colírio para os olhos, obrigado pelo comentário e por apoiar nosso trabalho, Jean!

      Excluir

Para os que comentam anônimos, por não serem membros, pedimos que coloquem seus nomes ou apelidos no final ou inicío da mensagem